Eliud Kipchoge chega a Berlim de olho no recorde mundial

O favorito Eliud Kipchoge e seu principal adversário Guye Adola na Maratona de Berlim de 2017. (Divulgação)


Melhor maratonista da história, Eliud Kipchoge desembarcou na capital alemã com dois objetivos. Vencer a Maratona de Berlim pela quarta vez e ser novamente recordista mundial, superando a própria marca de 2h01m39s, conquistada em 2018.

O queniano, que quer chegar na frente de 45.526 corredores de 157 países inscritos na prova, também foi campeão em Berlim em 2015 e 2017. Uma quarta vitória pelas ruas da capital alemã o igualaria ao etíope Haile Gebrselassie, que dominou entre 2006 e 2009.

“Berlim é o percurso mais rápido do mundo. É onde o ser humano pode mostrar todo seu potencial para ultrapassar seus limites”, disse Kipchoge, sem prometer um novo recorde. “Quero fazer uma corrida muito boa. E se conseguir meu recorde pessoal, eu vou aceitá-lo. Mas eu não quero me comprometer com um tempo. Vou tentar me superar. Eu sempre digo, se você quer se superar, venha para Berlim.”

Além de querer uma nova marca nos 42km e o quarto título em Berlim, Kipchoge, que vai fazer 38 anos em 5 de novembro, almeja uma terceira medalha de ouro olímpica, um feito no megaevento. O queniano, que não correu a maratona do Campeonato Mundial em Eugene, em julho, participou de sua última prova na Maratona de Tóquio, em março, onde quebrou o recorde do percurso com 2h02m40s, o quarto melhor tempo da distância na história.

Etíope Guye Adola é o maior adversário de Eliud Kipchoge

A vida de Kipchoge pode não ser fácil em Berlim este ano. Seu principal rival deve ser o atual campeão Guye Adola. O etíope venceu a prova do ano passado com 2h05m45s e fez uma brilhante estreia na maratona com 2h03m46s, quando foi vice-campeão de Kipchoge em Berlim, em 2017.

Além disso, há vários corredores com tempos abaixo de 2h06m que podem fazer frente ao queniano. Entre eles está o campeão mundial de maratona de 2015, Ghirmay Ghebreslassie, da Eritreia, com 2h05m34s, Defene Debela Gonfa, da Etiópia, com 2h05m46s, Mark Korir, do Quênia, com 2h05m49s, e Oqbe Kibrom, da Eritreia, com 2h05m53s.

Kipchoge já foi derrotado na Maratona de Berlim. Em 2013, ele ficou em segundo lugar, finalizando em 2h04m05s, atrás do também queniano Wilson Kipsang, que venceu com 2h03m23s.

A Maratona de Berlim abre a temporada das grandes maratonas de outono do hemisfério norte. A de Londres será em 2 de outubro, seguida por Chicago, em 9 de outubro, Amsterdã, em 16 de outubro, Frankfurt, em 30 de outubro, e Nova York, em 6 de novembro. (Iúri Totti)