Desfalque de Veiga colocará elenco do Palmeiras novamente em xeque

López teve chances, brigou, mas rendeu abaixo das expectativas em derrota do Verdão (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)


O Palmeiras ainda "junta os cacos" da derrota por 1 a 0 para o Athletico-PR, na partida de ida da semifinal da Libertadores. Entre os temas que ainda são abordados estão os desfalques que o time teve na partida e o quanto isso gerou uma desconfiança sobre o elenco. Agora, com a possível ausência de Raphael Veiga, o grupo será colocado em xeque novamente na partida de volta, no Allianz Parque.

GALERIA
> Confira os públicos do Palmeiras no Allianz Parque em 2022

TABELA
> Veja classificação e simulador do Brasileirão-2022 clicando aqui

> Conheça o aplicativo de resultados do LANCE!

Diante do Furacão, na última terça-feira, na Arena da Baixada, Abel Ferreira não pôde contar com a dupla Gustavo Scarpa e Danilo, que estavam suspensos pelas expulsões nas quartas de final contra o Atlético-MG. Essas baixas já eram uma preocupação, pois são dois dos melhores jogadores do time neste momento e seria difícil a substituição, como acabou se provando nitidamente na prática.

Gabriel Menino, que foi o escolhido para ocupar a posição de Danilo, teve uma boa atuação tanto na defesa quanto no ataque. As características são diferentes, mas a derrota passou longe de entrar na conta do camisa 25. Aliás, foi um dos poucos que se salvaram e será ele que irá para o jogo como titular na próxima terça-feira, já que Danilo ainda estará suspenso, pois pegou dois jogos de punição.

No entanto, não é possível dizer o mesmo das opções para o lugar de Scarpa. O escolhido de Abel Ferreira foi José Manuel López, o argentino contratado recentemente, fazendo com que Rony fosse deslocado para o lado esquerdo do ataque, e Dudu ficasse na direita.

O centroavante teve uma grande chance logo no início e, de forma inexplicável, desperdiçou aquilo que significaria uma enorme mudança no cenário da partida. Depois disso, foram erros atrás de erros e uma atuação bastante ruim do jovem atacante. Se o gol tivesse saído, iríamos falar de seu poder decisão, mas como não saiu e as coisas pioraram dali em diante, a avaliação dele não foi boa.

E a situação ficou mais complicada quando Raphael Veiga sofreu uma entrada de Hugo Moura e seu pé ficou preso entre o gramado e o adversário. Como consequência, ele precisou ser substituído e no dia seguinte teve constatada uma entorse no local. Ou seja, se a atuação já não estava boa com ele, sem ele e sem Scarpa ficou muito pior.

No lugar de Veiga (e já não tinha Scarpa), Abel optou por Bruno Tabata, que não fez um jogo ruim, mas também não foi brilhante. O meia ficou mais pelo lado direito, enquanto Dudu foi mais para a esquerda. Pouco pôde ser feito, mas também é preciso lembrar que ele está chegando em um grupo que joga junto há muito tempo.

Wesley, Mayke, Atuesta e Navarro, que entraram ao longo do segundo tempo, mostraram que talvez não sejam as peças para o time contar numa necessidade de virar o placar. A solução será encontrar alguém que seja o substituto de Scarpa, já que o próprio Scarpa jogará na função de Veiga, caso se confirme a ausência.

Como foi possível ver acima, o elenco do Palmeiras não oferece peças extraordinárias, apesar estar longe de ser ruim. Muitos torcedores já começam a dizer que esse é um dos motivos pelos quais a equipe caiu de produção nos últimos jogos e que isso vai prejudicar o time na maratona pelo Brasileirão. É preciso uma reação com o que tem em casa e esse grupo vai estar em xeque novamente para responder.