Derrota evidencia quais são as necessidades do Botafogo na segunda janela de transferências


A derrota do Botafogo para o Coritiba por 1 a 0, pela oitava rodada do Brasileirão, evidenciou quais são as posições que precisam de reforço na segunda janela de transferência. No último domingo, o time apresentou dificuldades em determinados momentos do jogo tanto no setor de meio-campo quanto no lado esquerdo do campo.

> ATUAÇÕES: Kanu leva a menor nota do Botafogo contra o Coritiba

Os problemas no meio-campo, inclusive, não são novidades para a torcida e para Luís Castro. Até aqui, apenas Luís Oyama não só jogou como foi titular em todas as partidas do Brasileirão. Já as outras duas vagas (Castro usa três jogadores de meio) estão vagas.

Tchê Tchê chegou a ser titular nos últimos três compromissos do time no Brasileirão, mas ficou no banco contra o Coritiba e sequer entrou em campo durante a partida. A opção no último domingo foi por Del Piage, que vive bom momento. No entanto, o camisa 23 não justificou a aposta e foi sacado no intervalo.

O mesmo problema permanece na escolha pelo jogador de meia mais avançado. Diante do Coxa, Chay foi a opção de Castro e até criou uma boa jogada. No primeiro tempo, conseguiu um desarme no meio de campo e logo acionou Victor Sá. O camisa 29, por sua vez, invadiu a área e cruzou para Erison finalizar sem goleiro, mas Matheus Alexandre apareceu na hora certa para travar o chute.

Entretanto, não passou disso. No segundo tempo, o treinador chegou a colocar em campo Lucas Fernandes e Lucas Piazon, mas nenhum deles conseguiu trazer mais criatividade ao Botafogo.

> Veja e simule a tabela do Brasileirão

Coritiba x Botafogo
Coritiba x Botafogo

Momento em que Fabrício Bruno passa por Oyama e Kanu, mas para em defesa de Gatito (Foto: Felipe Dalke/Coritiba)

Dessa forma, durante a coletiva, Castro foi perguntado se achar o meio-campo ideal tem sido a grande dificuldade no Botafogo até aqui. Ele admitiu que sim e explicou como a ausência de uma pré-temporada atrapalha o time neste aspecto.

- Tem, tem sido difícil porque normalmente nós construímos uma equipe ao longo de uma pré-temporada. Normalmente, neste período de pré-temporada, temos ali nove a dez jogos em que identificamos claramente todas as qualidades dos jogadores e como que eles se ligam uns com os outros.

- Isso tem sido feito ao longo de uma temporada, em que nos chegamos de forma oficial. Se eu fizesse isso ao longo de uma pré-temporada, todos os analistas entenderiam isso como uma coisa normal, ainda a procura de uma equipe, ainda a procura da melhor ligação entre eles. Como é feito no campeonato, há muitas instabilidades na equipe, não está a conseguir encontrar.

Por fim, também cabe destacar que o Botafogo teve problemas na esquerda contra o Coritiba. Por lá, Diego Gonçalves teve uma atuação abaixo do esperado, e o time não conseguiu ser tão eficiente por este lado do campo.

O titular da posição, vale lembrar, era Gustavo Sauer, que também vinha de jogos oscilantes. Como ele se machucou no início do mês, contra o Flamengo, tem sido substituído por Diego Gonçalves.

Hoje, as opções de Castro no setor são Rikelmi e Vinícius Lopes. O segundo, inclusive, entrou no segundo tempo dos jogos contra o América-MG e Fortaleza e aproveitou bem os minutos em que esteve dentro de campo. Contudo, está entregue ao Núcleo de Saúde e Performance do clube e, assim, foi baixa contra o Coritiba.

Enquanto busca soluções internas para estes dois setores à espera da abertura da janela de transferências, o Botafogo vira a chave para enfrentar o Goiás no Nilton Santos, às 20h, na próxima segunda-feira. A partida é válida pela nona rodada do Brasileirão e terá transmissão em tempo real do LANCE!.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos