Declaração de delegado responsável por 'caso Rafael Ramos' deixa jurídico do Corinthians em alerta

Edenilson acusa Rafael Ramos de tê-lo chamado de macaco (Foto: Ricardo Rimoli / Lancepress!)


O Corinthians aguarda o fechamento do inquérito da Polícia Civil do Rio Grande do Sul sobre a suposta acusação de racismo do lateral Rafael Ramos ao meia Edenílson, do Internacional, em jogo realizado no último dia 14 de maio, mas cogita abrir uma ação judicial contra o delegado responsável pelo caso o atleta do Timão seja indiciado.

+ GALERIA - Confira o retrospecto do Corinthians contra os possíveis adversários na Copa do Brasil

+ TABELA - Confira e simule os jogos do Corinthians no Brasileirão

Na última quarta-feira (8), o Instituto Geral de Pesquisas (IGP) disse que os vídeos analisados da discussão entre os jogadores é inconclusivo.

Edenílson afirma que Ramos disse a palavra ‘macaco’ a ele, já o corintiano diz ter usado a expressão ‘foda-se caralho’.

Memso com o laudo pericial, o delegado da Polícia Civil do Rio Grande do Sul Roberto Sahagoff deixou claro que a perícia não vincula o resultado com a decisão da polícia e que Rafael Ramos seria indiciado.

O departamento jurídico do clube alvinegro entende isso como abuso de poder, e caso se se confirme o indiciamento a Rafael Ramos tomará providências no campo legal para evitar a validade da decisão, isso porque a compreensão da defesa do clube é de que não há elementos que comprovem que o jogador português tenha cometido injúria racial contra Edenílson.

Por sua vez, Sahagof diz que há indícios suficientes para levar o caso para o Ministério Público atribuindo que Rafael Ramos comentou o ato de racismo. O órgão responsável por dar prosseguimento ou arquivar o caso é o MP.

– O laudo do IGP não nos vincula. Não vincula o resultado com a decisão da polícia. Tanto que nós vamos concluir o inquérito entendendo que houve o crime de injúria (por parte de Rafael Ramos). Há indícios suficientes da prática de um crime de injúria racial. Com esses elementos indiciários, vamos finalizar o inquérito – disse o delegado ao SBT.

ENTENDA O CASO

Durante o segundo tempo do empate em 2 a 2 entre Internacional e Corinthians, no Beira Rio, pelo Brasileirão, no último dia 14 de maio, Edenílson afirmou que teria sido chamado de macaco pelo lateral corintiano Rafael Ramos, que, por sua vez, diz ter usado a expressão "foda-se, caralho".

Rafael contratou duas perícias particulares que confirmam a sua versão, uma delas inclusive foi entregue pelo jogador durante o depoimento que deu na sede do Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP), na semana passada.

Na última segunda-feira (8), Edenilson também prestou depoimento na sede do TJD-SP e manteve a acusação contra Ramos.

Durante a tarde da última quarta-feira (8), o meia do Inter protestou nas suas redes sociais após o parecer inconclusivo da perícia feita pelo IGP.

– Não iriam nos calar? Já nos calaram. Se ofendidos, aceitem, engulam a seco. Finjam que não escutaram, é uma luta desleal, é uma luta INCONCLUSIVA! – escreveu o jogador em uma rede social, junto a uma foto dele com um ‘X’ na região da boca.

O atleta do Colorado também apagou todas as fotos da sua conta no Instagram e mudou nome para ‘Macaco Edenilson Andrade dos Santos’, em protesto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos