Decisão da Fifa sobre possível exclusão do Equador da Copa do Mundo deve acontecer em outubro

Byron Castillo pode ser responsável por exclusão do Equador da Copa do Mundo (Divulgação/FEF)


A audiência ocorrida na Câmara de Apelações da Fifa sobre o caso de Byron Castillo, que pode excluir o Equador da Copa do Mundo, se encerrou. Agora, a entidade tem até 20 dias para tomar uma decisão sobre o que acontecerá com relação ao torneio do Qatar.

No evento, Eduardo Carlezzo, advogado brasileiro que defende a Federação Chilena, apresentou novas provas para tentar retirar o Equador da Copa do Mundo. A Federação Equatoriana, Peruana e a Associação Nacional de Futebol Profissional também estiveram presentes.

Byron Castillo, centro da toda a polêmica que pode deixar a La Tri de fora do Mundial, não compareceu à audiência. O atleta teve respaldo de seu advogado, que classificou o evento como um "teatro promovido pela Federação Chilena".

Na última segunda-feira, o "Daily Mail" vazou uma suposta confissão de que o lateral equatoriano teria falsificado documentos para defender a La Tri. Com isso, o Chile está otimista em poder ganhar os pontos dos jogos realizados contra o Equador, em que Byron Castillo participou, e ganhar uma vaga na Copa do Mundo.

RELEMBRE O CASO

Os chilenos entraram com um processo na entidade máxima do futebol após documentos indicarem que Byron Castillo possa ter falsificado certidões que comprovariam que o jogador teria nascido na Colômbia. A Fifa está analisando os registros para dar uma sentença sobre o caso.

- Jogos pelo Equador: no dia 2 de setembro de 2021, Byron Castillo estreou com a camisa da La Tri e participou dos 90 minutos em jogo válido pela Eliminatória da Copa do Mundo contra o Paraguai. Ao todo, o lateral participou de oito jogos do torneio, inclusive sendo dois contra o Chile. Ele foi convocado pelo técnico Gustavo Alfaro após se destacar pelo Barcelona de Guayaquil.

- Acusação de falsificação de documentos: no início de maio de 2022, o Chile entrou com uma ação na Fifa alegando suposta falsificação de documentos relacionados ao jogador Byron Castillo. Segundo os acusadores, o atleta teria nascido na Colômbia e teria falsificado sua idade.

- Abertura da investigação: no dia 11 de maio, a Fifa decidiu abrir investigação para apurar a denúncia feita pelo Chile. A possível condenação faria com que o Equador perdesse os pontos conquistados nas oito partidas em que Byron Castillo foi escalado. Com isso, o Chile poderia ultrapassar a La Tri na classificação e ir direto para o Mundial.

- Resposta do Equador: sem se aprofundar no caso, a Federação Equatoriana de Futebol afirmou à Fifa que não havia nenhuma irregularidade na documentação do lateral e que não havia motivo para punições.

- Documentos em jogo: o jornal espanhol "Marca" conseguiu ter acesso a documentos, já em posse da Fifa, que comprovam que uma pessoa com o nome de Bayron Javier Castillo Segura, que seria irmão mais velho de Byron David, teria sido batizado em 1995 na Diocese de Tumaco, na Colômbia.

Um segundo documento, apresentando pelos equatorianos, se refere ao registro de Byron David Castillo Segura, em 1998, em General Villamil, também conhecida como Playas, no Equador.

- Alegação da defesa: o Equador alega que Byron David Castillo Segura teria tido um irmão mais velho nascido com o nome de Bayron Javier Castillo Segura, mas que este teria falecido. Além disso, a defesa diz que ambos nasceram em países diferentes.

- Advogado ao ataque: Eduardo Carlezzo, advogado de defesa da Associação Nacional de Futebol Profissional do Chile (ANFP), negou que Byron Castillo tenha tido um irmão nascido na Colômbia e afirmou ter provas sobre a fraude do Equador.