Corintiano 'louco', Mantuan celebra estreia no Zenit e planeja anos na Rússia

Gustavo Mantuan em sua estreia pelo Zenit. Foto: Mike Kireev/NurPhoto via Getty Images
Gustavo Mantuan em sua estreia pelo Zenit. Foto: Mike Kireev/NurPhoto via Getty Images

Gustavo Mantuan chegou ao Zenit em meados de julho em troca que mandou Yuri Alberto ao Corinthians. Ainda com lesão na coxa, sofrida nas oitavas de final da Libertadores contra o Boca Juniors, o atleta demorou mais do que gostaria para poder estrear.

Mas sua estreia não poderia ser melhor. No último sábado, em menos de 10 minutos em campo anotou o gol que deu ao Zenit a vitória sobre o CSKA por 2 a 1.

Leia também:

Neste domingo, espera repetir o bom desempenho em duelo com o Torpedo.

Em sua primeira entrevista a um veículo brasileiro desde que chegou à Rússia, Mantuan fala sobre sua estreia, a adaptação a Petersburgo e diz que pretende passar vários anos na equipe.

“Um dos meus objetivos quando vim ao Zenit é o de ficar muitos anos aqui”, disse.

O jogador afirmou que segue acompanhando o Corinthians, se diz um “corintiano louco” e que espera que Yuri Alberto marque ainda mais gols pelo Timão.

“Desejo todo o sucesso a ele e fico feliz que tenha feito três gols contra o Atlético-GO. Espero que siga fazendo muitos gols e ajudando o Corinthians.”

Gustavo Mantuan comemora primeiro gol pelo Zenit. Foto: Mike Kireev/NurPhoto via Getty Images
Gustavo Mantuan comemora primeiro gol pelo Zenit. Foto: Mike Kireev/NurPhoto via Getty Images

Confira a entrevista na íntegra:

Como você avalia sua estreia? Claro que todo jogador sempre almeja o gol, mas até você se surpreendeu como deu tudo certo tão rápido?
Sim, foi uma estreia muito boa e bastante surpreendente. Não esperava estrear com um gol em clássico, claro que não. Mas fico muito feliz, mas agora é só pensar em dar sequência ao trabalho porque o que queremos mesmo é ser campeão.

Acredita que uma estreia assim tão boa sirva para tirar as dúvidas sobre quem não te conhecia aqui na Rússia e até possa ter questionado a sua chegada?
Sim, acho que sim. Mas tenho muito mais a mostrar. Foi uma estreia boa sim, mas sei que posso dar muito mais para o Zenit.

Seu gol foi muito comentado pelos torcedores corintianos nas redes sociais. Sоube desta repercussão? O que achou?
É muito bom né. Isso mostra que eu deixei uma boa impressão para todos os corintianos. Então fico muito feliz por cada mensagem que me mandam, apoiam bastante. Foi algo muito legal, de verdade. Então fiquei muito feliz com todas esta repercussão.

Você tem um ano de contrato por empréstimo ao Zenit com opção de compra. Gostaria que o clube a exercesse?

Sim. Um dos meus objetivos quando vim ao Zenit é o de ficar muitos anos aqui. É algo que agora quero muito, pois foi um clube no qual já fui muito bem acolhido e apesar do pouco tempo, posso dizer que já me sinto em casa aqui.

Como você se sente na equipe e na cidade?
Me sinto muito bem. Todos me acolheram da melhor maneira possível. São Petersburgo é uma cidade muito boa, muito bonita. Sempre ainda fico muito admirado com tudo o que vejo aqui. Me surpreendi bastante.

O fato de ter tantos brasileiros no time faz com que você já esteja totalmente adaptado?
Sim, facilita totalmente. Eles estão me ajudando muito, assim como os colombianos (Barrios e Cassierra) São fundamentais e estão sendo muito importantes para mim neste momento.

Como é a sua relação com os jogadores russos do time? Tem alguém com quem conversa mais?
A relação é muito boa com todos. A gente tenta se comunicar dentro do possível e das limitações da língua né? Mas converso bastante com o Bakaev, Mostovoy, Tymoshchuk (auxiliar técnico), que participa muito dos treinos. Pouco a pouco vou me enturmando mais com cada um deles.

Você atuou apenas em um jogo e está há pouco tempo aqui. Mas pelo que tem visto do Campeonato Russo, como você o avalia?
É um campeonato de bastante intensidade e força física. Você tem que estar muito bem preparado fisicamente e mentamenlente para que então a qualidade técnica possa se sobressair.

O Zenit é o time a ser batido por todos aqui. Você acha realmente que o time está num nível acima dos demais adversários?
Acredito que sim, até mesmo pela ótima qualidade técnica de nossos jogadores. Mas sabemos que todos os jogos vão ser difíceis. Então a gente tem que manter esta humildade para poder ganhar jogo a jogo. Ir passo a passo para no fim ser campeão de novo, que é o que todos queremos.

Por enquanto ainda não chegou o inverno. Já está se preparando para isso?
Não estou preparado para o inverno, nada preparado. Mas vamos ver como é que é né? Eu sou um cara que gosta do frio, mas não sei como vai ser com o frio daqui, não sei como é.

O que mais tem gostado na Rússia até o momento?
Gostei muito de onde moro. Tudo movimentado. Moro perto de um parque que sempre tem muita gente, muita alegria e sou um cara que gosta deste energia. Está me fazendo muito bem. Fora a estrutura do clube que é sensacional. Estou gostando demais.

Você tem conseguido acompanhar os jogos do Corinthians?
Eu acompanho sempre que é possível, faço o que posso. Mas é que há jogos que começam muito tarde, às 3h30 aqui, o que complica bastante. O Corinthians vai estar sempre na minha vida. Sou torcedor corintiano louco, sempre estarei acompanhando.

O que tem achado do Yuri Alberto que foi envolvido na troca que trouxe você para a Rússia?
Ele é um jogador muito bom. Conheço dele desde a base, pegamos seleção brasileira juntos. Desejo todo o sucesso a ele e fico feliz que tenha feito três gols contra o Atlético-GO. Espero que siga fazendo muitos gols e ajudando o Corinthians.