Com indefinição de Vítor Pereira, Corinthians vê obstáculo em Vojvoda

Aguardando a definição se Vítor Pereira fica ou não no Corinthians, a direção do clube alvinegro discute internamente algumas possibilidades para a próxima temporada, e o técnico Juan Pablo Vojvoda, do Fortaleza, é um dos que mais agrada.

No entanto, o entendimento da cúpula corintiana é que o argentino está com a renovação contratual adiantada com o Leão do Pici e seria difícil contratá-lo.

O Santos também tem o profissional no radar, já que está em busca de técnico desde a saída de Lisca, no último dia 12 de setembro.

A prioridade corintiana segue na manutenção do português, que deixou claro na entrevista coletiva após se classificar à final da Copa do Brasil, contra o Fluminense, na semana passada, que adiantará as respostas quanto ao seu futuro. Mas, enquanto isso não acontece, a diretoria do Timão segue monitorando o mercado para não perder tempo em caso de saída do português.

Bem como a estratégia de convencimento para que Vítor Pereira renove o seu contrato com o Corinthians, o plano A do clube no caso de saída do lusitano também precisará de uma ‘boa lábia’ do presidente Duílio e os seus homens fortes, pois se trata de Tite, técnico da Seleção Brasileira.

Ídolo corintiano, o ‘professor Adenor’ já deixou claro que não ficará na Seleção Canarinha após a Copa do Mundo do Qatar, que será disputada entre novembro e dezembro deste ano. O profissional não descartou trabalhar no ano que vem, mas deixou claro que pretende tirar um ano sabático e que esse plano só mudaria no caso de um projeto fora do Brasil.

Porém, a parte sentimental, já que Tite foi o treinador dos títulos da Libertadores e Mundial, de 2012, além do Brasileirão de 2015 e outras conquistas importantes, além da forte ligação que o treinador possui com pessoas influentes da diretoria corintiana, como o diretor de futebol Roberto de Andrade, o gerente de futebol Alessandro Nunes, que foi capitão corintiano nas duas primeiras conquistas citadas, e até mesmo do presidente Duílio, que formava a diretoria corintiana nas passagens vitoriosas do técnico, é o trunfo que será usado para convencer Adenor Leonardo Bachi a ‘voltar para casa’.