Clubes da Premier League terão que rever salários de funcionários

Discussão sobre salário dos funcionários surgiu no momento em que os clubes da Premier League gastaram um recorde de £ 1,9 bilhão em transferências. Foto: Geoff Caddick/AFP via Getty Images
Discussão sobre salário dos funcionários surgiu no momento em que os clubes da Premier League gastaram um recorde de £ 1,9 bilhão em transferências. Foto: Geoff Caddick/AFP via Getty Images

Oito dos 20 clubes da Premier League estão foram obrigados a garantir que paguem o salário real a todos os seus funcionários. Os outros 12 dizem que são empregadores credenciados da Living Wage Foundation ou pagam o salário real a todos os funcionários, incluindo subcontratados.

Equipes que trabalham em Londres ganharão £ 11,95 por hora (R$ 69) após um aumento na última quinta-feira (22).

Leia também:

O fato surgiu no momento em que os clubes da Premier League gastaram um recorde de £ 1,9 bilhão (quase 11 bilhões de reais) em jogadores durante o verão.

Chelsea, Everton, Liverpool, Brighton, West Ham e Crystal Palace são empregadores credenciados pela Living Wage Foundation, o que significa que eles pagam o salário real a todos os funcionários, incluindo aqueles empregados por empresas subcontratadas, como mordomos, fornecedores e faxineiros.

O Newcastle United disse à BBC Sport que está no processo de se juntar a eles e está pagando o salário real enquanto isso. Manchester City, Brentford, Fulham, Leicester e Wolves também dizem que pagam o salário real a todos os funcionários, incluindo subcontratados.

Mas Manchester United, Southampton e Arsenal atualmente não pagam essa taxa a todos os seus fornecedores, faxineiros e comissários.

O Bournemouth paga o salário real ao pessoal permanente, mas não auditou seus contratados terceirizados para ver se eles cumprem.

O Tottenham também diz que paga o salário real aos funcionários e diz que é uma parte fundamental de seu procedimento de seleção de fornecedores terceirizados - mas não confirmou se isso significa que eles receberam a mesma taxa.

Aston Villa, Leeds e Nottingham Forest pagam ao pessoal diretamente empregado pelo menos o salário real, mas não puderam confirmar se isso se estendeu ao pessoal subcontratado.

Fora da Premier League, o Hearts, da Premiership escocesa, o Luton Town, da League Two Grimsby Town, e os times fora da liga, FC United de Manchester e Dulwich Hamlet, estão todos comprometidos em pagar o salário real através da Fundação.

O custo de vida está subindo quase no ritmo mais rápido em 40 anos. O custo de alimentos, energia e combustível disparou desde abril, embora as contas de energia sejam limitadas a partir de outubro sob os planos do governo para ajudar famílias e empresas.

A diretora da Living Wage Foundation, Katherine Chapman, disse à BBC Sport: "É ótimo que os clubes estejam pagando o salário real, mas gostaríamos de ver mais e seria ótimo ver mais clubes credenciados porque isso é um sinal de compromisso de longo prazo.