Ceni fala de estratégia 'anti-Deyverson' e valoriza reação do São Paulo

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 03.04.2022 - Rogério Ceni, técnico do São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 03.04.2022 - Rogério Ceni, técnico do São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O técnico Rogério Ceni exaltou a reação do elenco do São Paulo para buscar o empate em 1 a 1 com um a menos contra o Cuiabá, na noite de domingo (4), na Arena Pantanal, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O clube tricolor entrou em campo com time reserva, sofreu gol logo nos primeiros minutos, teve Welington expulso, mas conseguiu igualar o placar na reta final do segundo tempo, com gol do zagueiro Luizão. Ceni valorizou o resultado às vésperas de disputar uma vaga na final da Copa Sul-Americana.

"Estamos há mais de 100 dias jogando toda quarta, quinta, domingo. Hoje, de ponto positivo, fica a reação, num lugar quente, difícil de jogar, 10 contra 11, teve duas oportunidades de virar o jogo. Esse ponto é mais importante do que as pessoas pensam para o jogo de quinta", afirmou Ceni, em entrevista coletiva.

Um dos destaques do Cuiabá no jogo foi o atacante Deyverson, ex-Palmeiras, que pilhou os atletas do São Paulo e foi muito caçado em campo. Um dos amarelos de Welington na partida foi por uma falta em cima dele. Ceni comentou sobre estratégias para evitar a "catimba" do experiente jogador.

"Nosso time é jovem, tem muitos garotos, mesmo os que vem de fora. Ele é inteligente nesse sentido, bom jogador dentro de campo, tem a bola aérea muito forte. Você tem que tentar provocá-lo, para tirá-lo do jogo. Eu faria isso se estivesse em campo. Faria isso aos 40, aos 36, talvez aos 23 eu também discutiria e brigaria, mas tentaria fazer exatamente o que ele tenta fazer. É normal, leva o jogo do jeito dele. É um menino alegre. Tem que tentar desestabilizar o jogador para tentar com que eles fiquem com um a menos antes da gente", concluiu Ceni.

O próximo jogo do São Paulo é na quinta, às 21h30, contra o Atlético-GO, pela volta da semifinal da Copa Sul-Americana. Na ida, em Goiânia, o Dragão venceu por 3 a 1 e agora pode até perder pela vantagem mínima para chegar à final. Para avançar no tempo normal, o clube tricolor precisa vencer por três gols de diferença. Vitória são-paulina por dois gols de diferença leva a decisão para os pênaltis.