CBF propõe perda de pontos por racismo a partir de 2023

Ideia da CBF surge na véspera do Seminário de Combate ao Racismo, que terá presença de presidentes da Conmebol e do Senado.
Ideia da CBF surge na véspera do Seminário de Combate ao Racismo, que terá presença de presidentes da Conmebol e do Senado. Foto: (Lucas Figueiredo/CBF)

Buscando punições mais rígidas para casos de racismo no futebol brasileiro, o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, irá propor que casos de injúria racial, a partir do ano de 2023, sejam punidos. Casos de dentro e fora de campo estariam englobados na medida que será levada ao Conselho Técnico do Campeonato Brasileiro, onde os participantes da competição se reúnem antes da abertura do torneio.

Ednaldo Rodrigues irá anunciar a intenção na abertura do Seminário de Combate ao Racismo e à Violência no Futebol, evento que a entidade máxima do futebol nacional irá organizar: "O evento é um marco para o início de uma série de iniciativas que vão discutir de uma forma mais profunda o combate ao racismo e à violência no futebol. É um gesto histórico para dar um basta contra o racismo e a ignorância no futebol. Além do evento, vamos fazer uma série de ações nos estádios nesta semana para conscientizar o torcedor. Chega de discriminação".

Leia também:

Para a abertura, o cantor Gilberto Gil estará presente como convidado de honra, além de Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol, e Rodrigo Pacheco, presidente do Senado Federal. Além deles, representantes da FIFA também estarão presentes (veja a programação completa ao fim da matéria).

No ano de 2021, de acordo com Marcelo Carvalho, fundador do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, foram 64 casos de racismo envolvendo atletas ou clubes brasileiros: "Esse é o número de casos de racismo no futebol brasileiro ou com atletas brasileiros em competições sul-americanas". A CBF, a partir de 2022, passou a patrocinar o Observatório, como fala Ednaldo Rodrigues: "O trabalho do Observatório é muito relevante pela qualidade da pesquisa e ajuda a dar mais profundidade na discussão. A parceria da CBF serve para dar uma tranquilidade financeira ao grupo e ajudá-los a desenvolver projetos ao longo prazo".

Veja a programação completa do Seminário:

9h30 – Apresentação Musical da Camerata Jovem do Rio de Janeiro

10h – Abertura Institucional

  • Gilberto Gil, convidado de Honra

  • Ednaldo Rodrigues, Presidente da CBF

  • Alejandro Domínguez, Presidente da Conmebol

  • Rodrigo Pacheco, Presidente do Senado Federal

11h – Combate ao Racismo e à Discriminação

  • Mediador: Fabiano Machado da Rosa, advogado especialista em compliance antidiscriminatório

  • Marcelo Carvalho, Diretor do Observatório da Discriminação Racial do Futebol, e Onã Rudá, fundador do LGBTricolor e do Coletivo de Torcidas Canarinhos LGBTQs

  • Apresentação do Relatório Anual da Discriminação Racial no Futebol 2021.

  • Pavel Klymenko, Assessor de Diversidade e Anti-Discriminação da Fifa:

  • Melhores Práticas Internacionais de Combate à Discriminação e Promoção da Diversidade.

14h30 – Desenvolvimento da Segurança e Prevenção do Racismo e da Violência

  • Mediador: Luiz Claudio do Carmo, Presidente da Associação Nacional das Torcidas Organizadas (ANATORG)

  • Andrey Reis, Líder de Planejamento e Operações de Segurança da Fifa:

  • Melhores Práticas Internacionais de Desenvolvimento e Gerenciamento da Segurança.

  • Stuart Dykes, CEO da SD Europe e especialista em Relacionamento com as Torcidas da Uefa, e Lena Wiberg, Líder de Desenvolvimento e Treinamento da SD Europe:

  • A implementação do Programa de Agentes de Relacionamento com as Torcidas na Uefa.

16h50 – Cooperação em Segurança e contra o Racismo no Futebol Sul-americano

  • Mediador: Padre Omar Raposo, reitor do Santuário Cristo Redentor

  • Alejandro Moreno, Coordenador de Segurança das Competições CONMEBOL

  • A Atuação da Gerência de Segurança nas competições CONMEBOL.

  • Rodrigo Carnevale, delegado de Polícia Federal e chefe da Interpol Brasil, e Thiago Horta Barbosa, agente da Polícia Federal e especialista do Projeto Stadia da Interpol

  • Cooperação Internacional em Segurança de Eventos Esportivos.

18h10 – Encerramento

  • Ednaldo Rodrigues, Presidente da CBF