Caso Renan: zagueiro concorda que valor de fiança seja repassado para família da vítima

Renan foi dispensado pelo Bragantino e demitido do Palmeiras (Foto: Divulgação)


O zagueiro Renan, que atropelou e matou um motociclista na última sexta-feira, concordou que o valor da fiança que pagou pra deixar a prisão (R$242, 4 mil) seja direcionado integralmente à família da vítima. Segundo informações de 'UOL" e confirmada pelo LANCE!, a solicitação foi feita pelo Ministério Público conta agora com a aprovação do jogador. Desta forma, cabe à juíza Simone Rodrigues Valle decidir se a transferência será realizada.

+ Botafogo empresta Chay, Koundé fecha com gigante europeu… O Dia do Mercado!

A vítima, o encarregado Eliezer Pena, ia de moto ao trabalho quando foi atingido pelo Honda Civic do jogador, por volta das 6h30 da manhã. Eliezer era palmeirense e deixou mulher e duas filhas, que agora devem ser beneficiadas com o valor da fiança paga pelo atleta.

De acordo a legislação, esse valor ficaria depositado em juízo até a conclusão do caso, contudo o promotor Rogério Filócomo pediu para ser entregue à viúva como uma forma de auxílio após a morte do marido.

A família de Eliezer Pena concorda com a medida, segundo afirmaram seus advogados. Este pedido do Ministério Público faz parte do que em direito criminal se conhece como "justiça restaurativa", um conjunto de práticas e métodos que procuram reparar o dano causado às vítimas de crimes e seus familiares, mais do que simplesmente punir o criminoso.

+ Zagueiro do RB Bragantino se envolve em acidente com morte

SOBRE O CASO

O automóvel conduzido pelo zagueiro Renan, no acidente fatal em Bragança Paulista, acumulava ao todo nove multas, sendo sete delas por excesso de velocidade. As infrações aconteceram entre os meses de outubro de 2021 a abril de 2022.

Após o acidente, o zagueiro foi indiciado por homicídio culposo (quando não há intenção de matar), ele precisou desembolsar três vezes o salário que recebe no Bragantino. O valor de fiança foi estipulado pela Justiça para que o atleta possa responder o processo em liberdade.

Além do pagamento da fiança e a entrega do passaporte, a Justiça determinou que Renan deve comparecer em todos os atos do processo. Ele também foi proibido de frequentar bares e casas de shows.

Depois de ser liberado momentaneamente pelas autoridades, o jogador precisou deixar a cidade do interior de São Paulo. Renan relata que sua família sofreu ameaças na frente do condomínio onde morava.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos