Caso Byron Castillo: Chile otimista com áudio vazado e advogado do jogador minimiza situação

Byron Castillo foi o centro de uma polêmica que quase excluiu o Equador do Mundial (Foto: Franklin Jacome/AFP)


Nesta segunda-feira, o jornal ‘Daily Mail’ vazou um áudio em que Byron Castillo confessa sua nacionalidade e sua data de nascimento, que não batem com o que o Equador alega. Assim, o presidente da federação chilena, Pablo Milad, disse que a suposta declaração comprova a irregularidade do jogador na seleção equatoriana.

+ Tite diz que não vai influenciar em sucessor da Seleção Brasileira após a Copa do Mundo

- Isso nos ajuda a ter esperança. Fundamenta mais e dá mais força à nossa posição. É uma evidência externa, que não está dentro das provas que apresentamos, mas consolida mais nossa denúncia. Agora é esperar o que o Comitê de Apelações vai decidir. Agora estamos sujeitos à determinação. Tomara que a decisão seja justa. Nós vamos seguir até as últimas consequências - declarou Milad.

O Chile alega que a federação equatoriana escalou Byron Castillo de forma irregular após documentos indicarem que o jogador teria nascido na Colômbia. Os chilenos pedem a perda de pontos do Equador, que levaria a seleção chilena à Copa do Mundo.

Caso a irregularidade seja confirmada, o Equador pode ficar fora da Copa do Mundo por perder pontos nas Eliminatórias Sul-Americanas, e o Chile herdaria a vaga para o Mundial do Qatar. A La Roja tenta desde maio provar que o jogador atuou de forma ilegal. No mês de junho, a Fifa deu razão aos equatorianos.

+ Veja a tabela, os jogos e os grupos da Copa do Mundo de 2022

O advogado de Byron Castillo, Andrés Holguín, por sua vez, minimiza o caso. Ele afirma que o áudio não pode ser utilizado como prova pela federação chilena. Além disso, contou que o jogador não é obrigado a dar declarações ao Comitê de Apelações, em que foi convocado para tratar do tema nesta quinta-feira.

- No processo na Fifa, esse áudio não pode ser apresentado como prova já que não foi apresentado em primeira instância, tampouco na apelação. Isso não afeta nada

- A legislação suíça permite que Byron Castillo possa recorrer ao direito de silêncio. Sabemos que depois vão ao TAS (Corte Arbitral do Esporte), mas isso não nos tira o sono

RELEMBRE O CASO

Os chilenos entraram com um processo na entidade máxima do futebol após documentos indicarem que Byron Castillo possa ter falsificado certidões que comprovariam que o jogador teria nascido na Colômbia. A Fifa está analisando os registros para dar uma sentença sobre o caso.

- Jogos pelo Equador: no dia 2 de setembro de 2021, Byron Castillo estreou com a camisa da La Tri e participou dos 90 minutos em jogo válido pela Eliminatória da Copa do Mundo contra o Paraguai. Ao todo, o lateral participou de oito jogos do torneio, inclusive sendo dois contra o Chile. Ele foi convocado pelo técnico Gustavo Alfaro após se destacar pelo Barcelona de Guayaquil.

- Acusação de falsificação de documentos: no início de maio de 2022, o Chile entrou com uma ação na Fifa alegando suposta falsificação de documentos relacionados ao jogador Byron Castillo. Segundo os acusadores, o atleta teria nascido na Colômbia e teria falsificado sua idade.

- Abertura da investigação: no dia 11 de maio, a Fifa decidiu abrir investigação para apurar a denúncia feita pelo Chile. A possível condenação faria com que o Equador perdesse os pontos conquistados nas oito partidas em que Byron Castillo foi escalado. Com isso, o Chile poderia ultrapassar a La Tri na classificação e ir direto para o Mundial.

- Resposta do Equador: sem se aprofundar no caso, a Federação Equatoriana de Futebol afirmou à Fifa que não havia nenhuma irregularidade na documentação do lateral e que não havia motivo para punições.

- Documentos em jogo: o jornal espanhol "Marca" conseguiu ter acesso a documentos, já em posse da Fifa, que comprovam que uma pessoa com o nome de Bayron Javier Castillo Segura, que seria irmão mais velho de Byron David, teria sido batizado em 1995 na Diocese de Tumaco, na Colômbia.

Um segundo documento, apresentando pelos equatorianos, se refere ao registro de Byron David Castillo Segura, em 1998, em General Villamil, também conhecida como Playas, no Equador.

- Alegação da defesa: o Equador alega que Byron David Castillo Segura teria tido um irmão mais velho nascido com o nome de Bayron Javier Castillo Segura, mas que este teria falecido. Além disso, a defesa diz que ambos nasceram em países diferentes.

- Advogado ao ataque: Eduardo Carlezzo, advogado de defesa da Associação Nacional de Futebol Profissional do Chile (ANFP), negou que Byron Castillo tenha tido um irmão nascido na Colômbia e afirmou ter provas sobre a fraude do Equador.