Na volta do Jô na Globo, ex-jogador Falcão diz que time alemão "é bom, mas muito previsível"

Na volta do Jô na Globo, ex-jogador Falcão diz que time alemão é bom, mas muito previsível
Na volta do Jô na Globo, ex-jogador Falcão diz que time alemão é bom, mas muito previsível

Na volta do "Programa do Jô" à grade da Globo, o ex-jogador e técnico de futebol, Falcão, que trabalhou para a Fox na Copa, deu a sua opinião sobre a seleção da Alemanha, campeã do Mundial do Brasil: "é bom? É bom, mas é muito previsível".

Leia também:
Renata Fan usa rede social para homenagear ex-colega Osmar de Oliveira: “daria minha vida por ele”
Rafinha rebate Gentili após piada sobre 4º lugar da Seleção e audiência do ‘Agora é Tarde’: “se acha, não tem humildade”

"Sabe onde começa, onde joga, onde termina.A gente sabia que quem começa todas as jogadas da Alemanha, como é no Bayern, é o tal de Schweisteiger. Ele começa tudo e jogou sozinho o jogo inteiro. Khedira, que é outro jogador de qualidade, jogou sozinho, Toni Kroos jogou sozinho. Todo mundo jogou sozinho. Você deixa o time da Alemanha, mesmo previsível, jogar sozinho com essa qualidade, não era pra 7, mas pelos 3 gols a gente iria tomar", concluiu.

"O que nos enganou foi a Copa das Confederações.A gente vinha numa situação em que não acreditávamos na Seleção, de repente a vitória na Copa das Confederações, mesmo com adversários diferentes e mais frágeis que na Copa do Mundo, aquilo ligou com a torcida e o time tá forte, tá forte, então o baque foi maior porque não repetiu a Copa das Confederações", analisou ele.

"Na realidade, a torcida é que tava forte", deu seu pitaco Jô Soares. "se você esquecer o jogo com a Espanha, os outros jogos na Copa das Confederações não foram sensacionais", ponderou.

O também ex-jogador comentarista, Júnior, o outro entrevistado do programa no sofá do Jô, também falou sobre o assunto, mas de forma simplista, ignorando o futebol coletivo e vendo como problema a falta de talentos individuais no time brasileiro.

"Faltou [na Copa] aquele espírito [da Copa das Confederações]. E tem uma coisa também: a gente tem uma certa carência de jogadores que desequilibram. Você pega desde 1958 com Pelé e Garrincha, depois 1962... Quando tira o Neymar, quem é que tem?", resumiu.

Siga-me no Twitter: @rjovaneli

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos