Flávio Gomes: “O Corinthians virou o time do poder”

TV Esporte Blog

Polêmica nas redes sociais não é uma novidade para Flavio Gomes, comentarista da Fox Sports, que se divide entre a velocidade e a bola há mais de 30 anos. Esta semana, no entanto, o também professor de jornalismo provocou discussões, debates e até a ira de muitos torcedores por causa de um texto. Tão aparentemente honesto que, logo nas primeiras linhas, já decreta: “Vou me arrepender”.

Gomes discursou em seu blog sobre o que chamou de “o neo-futebol”. Logo no abre, fala sobre suas batalhas diárias, inclusive com os colegas de TV e rádio, contra os “defensores” do atual modelo adotado pelo esporte no país. Relembrou o primeiro título brasileiro do Corinthians com uma foto que estampou a capa do caderno de Esportes da Folha de S.Paulo naquele dezembro de 1990 – a escolha foi dele, editor do jornal à época. E, a partir daí, argumenta sobre aquele clube do passado, da massa, que hoje não existe mais, frente às transformações financeiras e até conceituais que tem atravessado na última década.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O blog conversou com o jornalista que promoveu um verdadeiro tornado nas redes sociais nas últimas 24 horas com suas impressões ali registradas. No jornalismo, concorde ou não com a análise, é preciso também saber ouvir.

Há quanto tempo você trabalha com esporte já?

33 anos.

E por que você adianta, já no começo do texto, que poderia se arrepender do que escreveu e publicou? Quantas vezes pensou em deletar antes de torná-lo público?

Nenhuma. Mas relutei por causa da reação nas redes sociais. Como hoje a gente se abre mais para o leitor, e incluo o blog nisso, a chance de vir uma torrente de ofensas de corintianos loucos, ensandecidos, como acontece com muitos jornalistas inclusive, por qualquer coisa que você fale, a possibilidade era muito grande. Mas, curiosamente, a maioria está conseguindo debater o tema com alguma civilidade.

Uma das coisas que mais lemos nas últimas horas nas redes foi: “O Flávio Gomes tem ódio do Corinthians”. Tem mesmo?

Óbvio que não. Os corintianos podem até ficar chocados com o que eu vou dizer, mas o mundo não é dividido entre corintianos e anticorintianos. Tem gente que caga (sic) um monte para o Corinthians.  Eu sou um deles. Aliás, a única coisa no futebol que me interessa é a Portuguesa. Então, eu não tenho porque odiar o clube, ninguém nunca me fez nada lá. Nem mesmo no Grêmio. Futebol para mim é assim: eu me importo com a Portuguesa e não ligo para o resto. Aliás, quem é um pouco inteligente me lê, tira o Corinthians do contexto e coloca “o futebol brasileiro”.  Teve muito torcedor do Palmeiras, do Atlético-MG, do Inter que me escreveu dizendo: “este texto vale também para o meu time”.

Ouvimos isso principalmente de palmeirenses, que falam sobre os preços praticados e a dificuldade em conseguir ingressos…

Exato! Se você quiser ser torcedor hoje, tem que pagar uma mensalidade. É cruel isso. Trocou-se o público que ia ao estádio, tiraram os pobres e botaram os ricos.

Se a Portuguesa recebesse um aporte financeiro grandioso e o time voltasse a respirar, à ativa. Você também criticaria isso?

A questão não é combater a capacidade de crescer de um clube. Todo mundo torce para o seu time melhorar, voltar a vencer. O problema é que o Corinthians não precisa fazer nada para crescer: a TV Globo cresce por ele. Não precisa se preocupar daqui para frente com nada. Na medida em que o futebol tem o monopólio de uma empresa de televisão e essa empresa tem o interesse claro e óbvio de promover os jogos do clube  em todos os campeonatos pela audiência, o Corinthians terá esse aporte de dinheiro de graça, sem fazer nada, sem esforço algum. Se a Portuguesa se esforçar em conseguir uma parceria com a Portugal Telecom, com o Roberto Leal, com a “p.q.p.” (sic), ela terá de andar com as próprias pernas. Mas o Corinthians mudou de patamar porque, assim como o Flamengo em outras épocas, ele foi o escolhido da TV Globo pra ser o clube que vai ganhar mais dinheiro no país. E não é justo ele ganhar 200 milhões e a Chapecoense 20.

Você está falando sobre a venda de direitos de imagem, é isso?

Direito de TV hoje é a grande fonte de receita dos times grandes, a venda dos direitos para a TV Globo. Pois bem, a TV Globo paga 200 pro Corinthians e 80 pro Santos. Você acha justo isso? “Ah, mas o Corinthians dá mais audiência..”, f…-se (sic), são times de um mesmo campeonato. Você pode ter uma diferença de receita, claro, entre os mais e os menos populares, mas isso tem que ser determinado por outros critérios, e não pela escolha da TV. O Corinthians ganhou tudo: estádio, mais dinheiro, contratos de publicidade mais fácil, é ajudado pelos veículos. E é isso que eu escrevo no texto. Que aquela coisa da dificuldade, sofrimento, suor, sangue e lágrimas não existe mais. O Corinthians virou o time do poder.

O título do texto fala em “neo-futebol”. Isso também atinge outros clubes no futebol brasileiro, mesmo não tendo os mesmos privilégios aos quais você se refere, ou é uma exclusividade do Corinthians?

Não, eu falo do futebol em geral. Quando um torcedor do Inter me escreve dizendo que não consegue mais ir ao Beira Rio, ou mesmo um palmeirense com o mesmo problema para frequentar o Allianz Parque, é porque é um fenômeno que está se reproduzindo em alguns clubes. É que o Corinthians tem o adicional de ser um clube favorecido em todas as esferas do futebol brasileiro, seja política, técnica, financeira. Mas essa troca de perfil de público nos estádios está acontecendo a olhos vistos.

Imaginamos que você já tenha a opinião sobre esse movimento no futebol brasileiro, especialmente o sobre Corinthians, há algum tempo, que isso foi construído. Você acredita que se tivesse publicado esse textos há três meses ou mesmo daqui a três meses, passada a euforia, ele teria esse mesmo alcance?

Não sei, mas eu já penso sobre isso faz tempo e já escrevi sobre isso outras vezes, não é a primeira… Não sei te dizer… Talvez porque é Corinthians e tal. Pode ser até que teria menos impacto, é difícil de medir. Quem acha que eu faço alguma coisa pra ganhar clique, que vá tomar no c… (sic), entendeu? Tenho esse blog há dez anos, escrevo sobre qualquer assunto, a qualquer momento. É bobagem isso.

Para 2016, deve mudar alguma coisa ou a tendência é piorar?

Claro que a tendência é piorar, porque tem muita gente que acha esse modelo de futebol atual no Brasil o mais legal. Respeito as pessoas que gostam. Existe uma tendência de “gourmetizar” tudo no país hoje, e o futebol não vai escapar disso não.

Você já se arrependeu, como disse no início de seu texto?

Ainda não, imagine!

Leia também