Em 1964, Santos foi prejudicado por influência de Julio Grondona

Copa Libertadores da América 1964 / Semifinal / Santos x Independiente (Reprodução / Club Independiente)

A crise do futebol atingiu a Federação Argentina (AFA) na noite deste domingo. 11 escutas foram apresentadas pelo canal América TV e mostraram irregularidades cometidas pelo ex-presidente Julio Grondona, ao longo dos 35 anos que esteve no poder. Em outra acusação, o dirigente teria 'comprado' um árbitro holandês para ajudar o Independiente contra o Santos na semifinal da Libertadores de 1964.

Na época, Grondona era presidente do Independiente, que eliminou o clube de Pelé. Na conversa com Gnecco, ele aconselha o amigo a tomar cuidado com os árbitros e bandeiras indicados para o duelo. O interlocutor diz que aprendeu isso com ele "há mais ou menos 40 anos". 'Em 64, quando jogamos contra o Santos, ganhei o (árbitro) Leo Horn, que era holandês, com os dois bandeiras', completa Grondona.

Na partida de ida, o Independiente bateu o Santos por 3 a 2, no Maracanã. A imprensa nacional destacou impedimentos mal marcados pela arbitragem - os auxiliares vinham do Paraguai. Porém, o árbitro não foi Leo Horn, e sim o inglês Arthur Holland. Grondona pode ter sido traído por sua memória. No segundo jogo, em Avellaneda, o Independiente voltou a vencer o Santos, desta vez por 2 a 1, e foi à final da Libertadores, contra o Nacional. Com empate por 0 a 0 no Uruguai e vitória de 1 a 0 em casa, o time argentino foi campeão.

Outro clube prejudicado pela influência de Grondona foi o Corinthians. Segundo escutas, o dirigente teria forçado a escolha de Carlos Amarilla para apitar a partida de volta entre Corinthians e Boca Juniors, na Libertadores de 2013. Em um jogo muito polêmico, os argentinos avançaram com um empate de 1 a 1.