Globo usa seu principal telejornal para justificar tímida cobertura olímpica

Leonardo Sacco
London Calling

Durante a edição desta quarta-feira do "Jornal Nacional", a Globo se justificou mais uma vez (já havia feito no "Globo Esporte") pela cobertura tímida dos Jogos Olímpicos de Londres, que tem sido alvo de críticas.

Inicialmente, o telejornal destacou a goleada da seleção feminina sobre Camarões na estreia nos Jogos. Ao exibir os gols do time brasileiro e noticiar sobre as demais partidas, aparecia no vídeo o texto "imagens cedidas pela TV Record", referência obrigatória à emissora dona dos direitos do evento para a televisão aberta brasileira.

Depois, o apresentador do JN, William Bonner, leu um editorial ratificando o comunicado já divulgado pela emissora à imprensa no início da tarde de ontem. Nele, Bonner explicou como será a cobertura da Globo de Londres 2012.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"Na cobertura das Olimpíadas, o 'Jornal Nacional' seguirá as regras do Comitê Olímpico Internacional, que limita o uso de imagens do evento pelos não detentores dos direitos de transmissão. As regras estão na nossa página na internet", disse.

Entre outros pontos, a nota oficial emitida pela Rede Globo explica que a emissora tem apenas seis minutos de imagens para serem mostradas em no máximo três programas jornalísticos regulares por dia, sendo que cada um deles só poderá usar até dois minutos, não ultrapassando, por evento ou prova, 30 segundos ou 1/3, o que for menor.

Leia, abaixo, o comunicado da Globo:

"A cobertura jornalística da Rede Globo dos Jogos Olímpicos 2012 seguirá dois princípios de que não pode abrir mão: informar os seus telespectadores e respeitar acordos sobre direitos esportivos.

Para isso, a emissora comprou da OBS (Olympic Broadcast Services) o acesso às imagens dos Jogos Olímpicos vendido a não detentores dos direitos de transmissão que aceitam as regras do COI (Comitê Olímpico Internacional) para a utilização jornalística em suas coberturas do evento.

Essas regras determinam que, ao longo do dia, um total de apenas seis minutos de imagens sejam usados por no máximo três programas jornalísticos regulares, sendo que cada um deles poderá usar apenas até dois minutos, não ultrapassando, por evento ou prova, 30 segundos ou 1/3, o que for menor.

A OBS produzirá boletins atualizados de 30 minutos sobre as Olimpíadas a cada meia hora, que serão transmitidos via satélite a todos os assinantes do serviço. Imagens de arquivo de Jogos Olímpicos passados contam nos seis minutos diários e, portanto, nos dois minutos por programa.

Outra restrição é que as imagens só poderão ser usadas três horas depois que tiverem sido exibidas pelo detentor dos direitos de transmissão em TV aberta. No momento em que as imagens dos Jogos Olímpicos estiverem sendo mostradas nas reportagens, os assinantes do serviço da OBS se comprometem a creditá-las ao detentor dos direitos de transmissão.

Seguindo a experiência internacional, e sem ferir as regras do COI, fotos serão utilizadas sempre que imagens de um evento não puderem ser exibidas.

São restrições importantes do COI que a TV Globo acata num esforço para bem informar os seus telespectadores. Como acontece em todo o mundo com os não detentores de direitos de transmissão, o respeito a essas regras implicará, naturalmente, uma cobertura mais limitada do que a que realizamos nos últimos anos, mas suficiente para divulgar as principais notícias sobre os Jogos Olímpicos."

Veja mais notícias de esporte e televisão no TV Esporte Blog!

Leia também