Doping estranho nos Jogos Paralímpicos

André Carbone
London Calling

Uma maneira estranha de doping para atletas com lesões na medula espinhal chama a atenção nos Jogos Paralímpicos de Londres. Para elevar a pressão arterial e acelerar o batimento cardíaco, eles prendem a urina, usam choques elétricos e chegam até a quebrar dedos dos pés intencionalmente com um um martelo. De acordo com a BBC, 17% dos paratletas em Londres já admitiram que usaram alguns desses métodos de melhora de performance no esporte.

O doping paralímpico parece estranho, mas é explicado pela ciência. Enquanto os atletas sem deficiências aumentam a pressão arterial normalmente com exercícios, atletas com lesões na medula espinhal não conseguem ter o mesmo resultado e acelerar o batimento cardíaco. Portanto, este tipo de doping faz muita diferença, permitindo que o corpo aguente mais treinamentos e fique mais preparado para conquistar medalhas.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"Eu tentei de muitas maneiras fazer isso. Você pode deixar sua bexiga encher, basicamente não indo ao banheiro por horas e deixando a dor da sua bexiga agir sobre seu corpo. Algumas pessoas enchem a bexiga através de um cateter para o estímulo vir mais rapidamente - é o mais comum - e você pode rapidamente se livrar da dor após o estímulo deixando a urina escorrer por ali", revelou o alpinista tetraplégico Brad Zdanivsky, do Canadá.

"Já fui mais fundo e usei estímulos elétricos nos dedos dos pés, na perna e até mesmo nos testículos", completou Zdanivsky. A prática, além de ser perigosa para a saúde, é ilegal desde 1994, e os testes são feitos antes das competições. Porém, nada impede que o paratleta prepare seu corpo nos treinamentos utilizando esta forma de doping, que desaparece algumas horas depois.

Fonte: Blog Fourth Place Medal

Leia também