Nome de Marco Aurélio Cunha ganha força para cargo de direção no São Paulo

Jorge Nicola

Tricolor declarado, Marco Aurélio trabalha como diretor de futebol feminino na CBF

Superintendente de futebol do São Paulo na vitoriosa década passada, Marco Aurélio Cunha pode voltar ao Morumbi. A crise dentro e fora de campo e a decepção com o trabalho do diretor-executivo Gustavo Vieira de Oliveira fazem o presidente Leco pensar em mudanças drásticas na diretoria.

Marco Aurélio esteve na semana passada no CT da Barra Funda para conversar com os jogadores e deixou ótima impressão. Desde então, Leco tem sido pressionado a fazer uma proposta oficial ao dirigente assim que ele voltar de Papua Nova Guiné, na terça-feira, onde está a serviço da CBF - Marco Aurélio é diretor de futebol feminino da seleção e participa dos preparativos para o Mundial sub-20 feminino.

“Nunca falei sobre essa possibilidade de voltar ao São Paulo com ninguém e há muita coisa envolvida”, afirma Marco Aurélio, lembrando das mudanças, pessoais e profissionais, que sua saída da CBF causariam. Sem contar na eleição para presidente do Tricolor, que ocorrerá em abril do ano que vem. O médico chegou a se lançar candidato pela oposição na última eleição, mas voltou atrás e apoiou Kalil Rocha Abdalla, derrotado por Carlos Miguel Aidar.

Com Marco Aurélio como superintendente, o São Paulo ganhou a Libertadores e o Mundial de 2005, além do tricampeonato brasileiro, de 2006 a 2008. Sua função era abafar crises internas e fazer a ponte entre o elenco, a comissão técnica e a diretoria.

Sobrinho de Raí, Gustavo também tem essa função, embora atue ainda nas compras e vendas de jogadores. Nos últimos meses, o diretor-executivo comprou algumas brigas com os atletas do Tricolor e queimou seu filme. O fato de ganhar R$ 120 mil de salário por mês é outro ponto contra o dirigente, principalmente entre os conselheiros deliberativos, que consideram seu custo-benefício péssimo.