Diretores do São Paulo querem fim dos negócios com Uram no Morumbi

yahoo-sports-jorge-nicola

Welliton, que custou R$ 800 mil, é um dos muitos clientes de Uram contestados no Tricolor

A redução drástica no número de jogadores de Eduardo Uram no São Paulo - eram dez e hoje são apenas três - ainda não foi capaz de satisfazer aliados do presidente Carlos Miguel Aidar. A intenção é fazer com que o empresário carioca termine a temporada sem qualquer cliente no elenco: restaram o lateral-direito Bruno e os zagueiros Edson Silva e Antônio Carlos.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A implicância com Uram é antiga e tem a ver com sua ligação íntima com o ex-presidente Juvenal Juvêncio. Mais do que isso: os atuais dirigentes entendem que a grande maioria dos negócios com o empresário foram um desastre no aspecto financeiro e técnico para o clube.

“O que o São Paulo ganhou tendo Welliton, Juan, Carleto, Cortez, João Filipe e Roger Carvalho, por exemplo?”, questiona um diretor, pedindo anonimato. “O clube foi usado para dar exposição para um monte de jogadores ruins. Mas o grande constrangimento para nós foi descobrir o quanto era pago de salários e comissões para esse pessoal”, completa.

Welliton é um dos casos mais escandalosos, na visão da atual diretoria, que está em guerra com a anterior há bastante tempo. O atacante passou os últimos quatro meses do ano de 2013 no Morumbi e custou R$ 800 mil somente em salários. Foi titular apenas seis vezes, atuou em outras 13 partidas entrando no decorrer do jogo e marcou quatro gols.

Até o presidente Aidar tem restrições com alguns dos atletas de Uram. Maicon, que foi emprestado para o Grêmio na semana passada, era chamado jocosamente por Aidar de “Enceradeira”. Dos três clientes que ainda restam no elenco de Muricy, Antônio Carlos é o mais queimado - nem foi inscrito no Paulistão. Edson Silva é reserva e Bruno, o único titular, vem sendo contestado.

O grupo de dirigentes que não gosta de Uram ainda lembra que o empresário ajudou a rebaixar o Bahia no ano passado, quando levou vários de seus clientes para Salvador, e teve experiências pouco positivas no Figueirense e no Criciúma.

Leia também