Neymar, racismo e a pergunta que ultrapassa um simples jogo

Rafael Santos

“Você me chamou de macaco?”, questionou Neymar em imagens flagradas pela televisão. O alvo da pergunta era o técnico do Ituano, Roberto Fonseca. A confusão entre os dois começou após a joia santista receber uma entrada dura de um dos atletas da equipe comandada pelo suposto autor dos insultos.

Neymar ainda se dirigiu ao quarto árbitro da partida, Paulo Estevão Alves da Silva, e reclamou: “Você viu isso? Isso é o que? É legal? Não viu ele me chamando de macaco?”, insistiu o camisa 11 do Santos. Por sua vez, Fonseca retrucava: “Você está surdo, moleque? Está surdo?”

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Em entrevista à TV Bandeirantes, o quarto árbitro declarou que não ouviu o suposto insulto racista do treinador do Ituano. Na saída do intervalo, Neymar não deu certeza de ter sido chamado de macaco. “Eu não entendi o que ele falou, tanto que eu voltei para perguntar... Aí ele disse que eu era surdo".

Fonseca também foi questionado pela imprensa e mostrou muita irritação. "Ele deve estar surdo, falei que ele é cai cai, que toda hora ele cai. Ele vai fazer adivinhação também", declarou.

Muita gente vai dizer que Neymar é exagerado. Que ‘só quer aparecer’ ou que isso ou aquilo. No entanto, sua atitude foi a melhor possível. Ele foi até o suposto autor dos insultos e o perguntou cara a cara o que disse. Quis confirmar antes de acusar formalmente o treinador rival.

Existe racismo no Brasil sim. É um fato. Apesar de boa parte da sociedade brasileira adotar a ‘cultura do mal-entendido’ como bem definiu Michel Blanco aqui mesmo no Yahoo!

Também vale lembrar que Neymar já foi vítima de racismo. Em 2011 durante a vitória do Brasil diante da Escócia por 2 a 0 ele teve uma casca de banana lançada em sua direção. O craque mostrou indignação e recebeu apoio dos companheiros.

Mais tarde foi descoberto que o ator da “brincadeira” foi um adolescente alemão e a Federação Escocesa exigiu que Neymar se desculpasse publicamente por ter ‘ofendido’ a torcida local. O camisa 11 mais uma vez agiu certo e se negou a pedir desculpas...

Em 2012 Neymar foi outra vez alvo de bananas. Desta vez com a camisa do Santos em jogo da Libertadores em La Paz contra o Bolívar. Como se não bastassem as bananas o atleta também foi atingido por um objeto atirado pela torcida. Os cartolas da Conmebol nada fizeram e o Bolívar jogou a Libertadores 2013. Foi eliminado pelo São Paulo.

Portanto, acredito que o atacante agiu muito bem ao confrontar diretamente o técnico do Ituano. Se ele não ouviu bem tem o direito de pedir uma confirmação e ponto. Neymar não pode aceitar que tudo seja ‘mal-entendido’. Ele precisa saber. Motivos para se incomodar e se preocupar com racismo ele tem. Basta lembrar os outros casos de racismo envolvendo o atacante.

Se o principal jogador de futebol brasileiro em atividade já sofreu com o racismo dentro de campo... Qual é a realidade de tantos outros atletas negros longe do foco das câmeras no Brasil? Fica a pergunta...

PS: O Peixe venceu por 1 a 0. Gol de Cícero.

Leia também