Bicicleta ergométrica cresce no mercado de segunda mão após tendência da pandemia

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP - Sem academias durante pandemia, brasileiro passou a se exercitar em casa. (Foto: Carlos Cecconello/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP - Sem academias durante pandemia, brasileiro passou a se exercitar em casa. (Foto: Carlos Cecconello/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Depois da onda de demanda pelas bicicletas ergométricas durante o fechamento das academias de ginástica na pandemia, a tendência agora é inversa: a revenda desses equipamentos no mercado de segunda mão.

A OLX, plataforma de ecommerce especializada em produtos usados, registrou aumento de 18% na compra de bicicletas ergométricas no primeiro semestre em relação ao mesmo período de 2021.

Na mesma base de comparação, também cresceu o volume de anúncios do produto inseridos no site, o que reflete a intenção de venda. O indicador subiu 13%.

A tendência também aconteceu nos Estados Unidos. A Peloton, marca de bicicleta ergométrica que virou febre na pandemia, chegou a cortar 20% da sua equipe quando a reabertura da economia levou as pessoas de volta à academia, afetando seus negócios.