Bia Maia vira contra campeã olímpica, vai à semifinal em Toronto e entra no top 20

Bia Maia está na semi em Toronto (Foto: Vaughn Ridley / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP)


Depois de derrubar a polonesa Iga Swiatek, número 1 do mundo, Beatriz Haddad Maia segue fazendo história. A brasileira bateu a suíça Belinda Bencic e garantiu vaga na semifinal do WTA 1000 de Toronto, no Canadá, na noite desta sexta-feira. Ela começou atrás, mas uniu forças para vencer de virada por 2 sets a 1, com parciais de 2/6 6/3 6/3, após 2h08min na quadra central.

A brasileira fez um grande jogo contra Bencic, que é campeã olímpica e 12ª do mundo. Antes de enfrentar Bia, a suíça tinha vencido a top 10 do mundo Garbiñe Muguruza.

O resultado colocará a brasileira pela primeira vez dentro do grupo das 20 melhores do mundo no momento, com a 20ª colocação. Ela se tornará a melhor do Brasil em um ranking de simples desde Gustavo Kuerten, que foi número 1 em 2000 e 2001 por 43 semanas. Bia vai superar a marca de Thomaz Bellucci, que era o segundo melhor brasileiro até então, com o 21º lugar.

Bia também se torna a primeira brasileira em uma semi de um torneio desse porte na história.

Neste sábado, às 19h, a paulistana encara a vencedora do confronto entre a tcheca Karolina Pliskova, 14ª e ex-número 1 do mundo, e a chinesa Qinwen Zheng, 54ª.

O jogo

A partida começou com as duas tenistas se estudando e mostrando a potência de seus saques. Bia foi a primeira a pressionar, já no segundo game, mas escolheu mal as jogadas e acabou não chegando aos breakpoints. Bencic seguiu firme, arriscando mudança de direção de bola e começou a ter melhor controle do jogo. Em erro com forehand de Bia, chegou ao breakpoint no 6º game. A suíça manteve-se firme, vencendo quatro games seguidos e confirmando nova quebra no 8º game, após ver bola bater na fita da rede, fechando assim o primeiro set.

Com um set abaixo, Bia trabalhou arriscando mais entrar em quadra e alongar trocas de bolas em seus games de saque, ao mesmo tempo que buscou tentar empurrar a suíça da linha de base com devoluções mais profundas. A tática deu certo. Jogando solta, Bia conquistou a quebra em erro da suíça no 3º game, abriu 3/1 no placar e foi administrando. A presença brasileira em quadra foi irritando a suíça, que sacando para se manter na parcial cometeu dupla-falta em 40-40, viu o público comemorar seu erro e voltou a cometer dupla-falta. Depois, disso, ela exclamou ao público pedindo respeito: "Meu Deus! Tenham um pouco de respeito". Apesar do desabafo, a suíça seguiu nervosa, voltou a ser quebrada pela brasileira, que empatou a partida.

No set decisivo, Bencic descontou sua frustração na bola, fez boas devoluções profundas e abriu quebrando com belo forehand vencedor, abriu 2/0, mas não sustentou por muito tempo a vantagem. Bia seguiu apresentando o bom tênis da segunda etapa, entrou em quadra e devolveu quebra no 4º game, empatando a disputa. O jogo seguiu intenso e Bia precisou lutar por 6 minutos para salvar dois beeakpoints, aguentar a pressão e confirmar saque no 7º game. No game seguinte, a brasileira foi firme na devolução e aplicou belíssimo forehand na paralela para conquistar nova quebra e sacar para a partida. Sacando para o jogo, Bia viu Bencic lutar muito, salvar três match-points, mas manteve a calma e com ace se garantiu na semifinal.