Bia Haddad espera inspirar próxima geração de tenistas no Brasil

Beatriz Haddad Maia e Simona Halep posam com troféus do Aberto do Canadá, em Toronto

(Reuters) - A brasileira Beatriz Haddad Maia disse que espera inspirar a juventude do país a começar a jogar tênis depois de entrar no top 20 do ranking mundial.

Bia Haddad foi vice-campeã do Aberto do Canadá, no domingo, após ser derrotada na final por 6-3, 2-6 e 6-3 pela romena Simona Halep. Suas atuações em Toronto a levaram ao 16º lugar no ranking.

"Não somos muitos tenistas (da América do Sul) porque, sabe, são menos oportunidades, são menos torneios", disse Bia, que nesta semana se tornou a primeira brasileira a chegar às quartas de final de um evento WTA 1000, a repórteres.

"O tênis, a mentalidade e a cultura são diferentes lá. Não é fácil, sendo brasileiro, jogar aqui e construir nosso nível de tênis no circuito."

"Agora espero poder ajudar as crianças a realizarem seus sonhos, a acreditarem em si mesmas. Porque se agora estou aqui no top 20, elas também podem estar aqui", completou.

O Brasil teve tenistas de sucesso no passado, com Maria Esther Bueno tendo conquistado vários títulos de Grand Slam antes do início da era Open, em 1968, e Gustavo Kuerten sendo campeão do Aberto da França em três ocasiões, a última em 2001.

Muitos torcedores na final de domingo estavam vestindo a camisa amarela do Brasil, e o sucesso de Bia Haddad também chamou a atenção de Pelé, que escreveu uma mensagem de apoio no Instagram antes da partida.

Bia Haddad elogiou os torcedores por criarem na final um clima semelhante ao de um jogo de futebol.

"Acho que os brasileiros não estão acostumados a gritar pelo tênis. Às vezes eles gritam um pouco mais", disse. "Eles acham que estão em um jogo de futebol. Mas, sim, é engraçado, porque todo mundo quer me passar energia."

"E eu fiquei feliz em ouvir muito vamos Bia, continue lutando. É especial sentir que todo mundo no Brasil está assistindo na TV, e acompanhando o tênis por minha causa. Me sinto muito orgulhosa e agradecida por causa disso."

(Reportagem de Aadi Nair, em Bangaluru)