Barcelona aumenta teto salarial para 656 milhões de euros

O Barcelona passou de um teto salarial negativo de 144,3 milhões de euros em março para um saldo positivo de 656,4 milhões de euros, informou nesta sexta-feira a organizadora do Campeonato Espanhol.

A Liga de Futebol Profissional publicou os tetos salarias das equipes depois da última janela de transferências.

As chamadas 'alavancas econômicas' adotadas pelo clube catalão para gerar receitas, entre elas a venda de 25% dos direitos de televisão do Espanhol e de 24,5% da filial audiovisual Barça Studios, permitiram o retorno ao balanço positivo.

Com estas vendas, o Barcelona pôde agir de forma agressiva no mercado, contratando o artilheiro polonês Robert Lewandowski e o atacante brasileiro Raphinha.

"O Barça tem que administrar a folha salarial", considerou, no entanto, o presidente da LaLiga, Javier Tebas, para quem "é muito difícil manter esse limite na temporada que vem".

Os dirigentes do clube "sabem da situação: ou mais alavancas, o que é difícil, ou reduzir a folha salarial em torno de 400 milhões de euros, os gastos com o elenco. É muito difícil que mantenham no ano que vem", acrescentou Tebas.

Apesar da situação, presidente da LaLiga acredita que o clube não tem risco de quebrar, pois "tem um grande patrimônio".

O Real Madrid segue liderando o limite salarial com 683,4 mlhões de euros, abaixo dos 739 milhões de euros da temporada passada, após o fechamento do mercado.

O Atlético de Madrid é o terceiro clube com maior margem, 341 milhões de euros.

gr/psr/pm/cb