Atlético-MG estima que Arena MRV dará lucro para o futebol apenas a partir de 2030

Arena MRV deverá ser inaugurada em março de 2023 - Divulgação / Arena MRV


O custo geral da Arena MRV excedeu as expectativas projetadas pela diretoria do Atlético-MG e bate hoje cerca de R$ 926 milhões. Entre diversas despesas e pedidos de crédito, o clube espera passar a ter lucro para o futebol com o estádio apenas a partir de 2030.

Os dados constam no material produzido para a captação de investidores por parte do Atlético-MG, com informações divulgadas pelo jornalista Rodrigo Capelo. A renda própria do Atlético-MG soma cerca de R$ 511 milhões até dezembro de 2022. Entre os métodos de lucro estão a venda da primeira metade do Diamond Mall, lucros de cadeiras e camarotes, naming rights e doação de terreno (veja a divisão abaixo).

+ Arena MRV tem novas fotos divulgadas: veja como estão as obras do estádio do Atlético-MG

R$ 21 milhões – Doação do terreno
R$ 278 milhões – Aporte do Atlético-MG (venda do Diamond Mall)
R$ 43 milhões – Naming rights
R$ 169 milhões – Cadeiras e camarotes

Entretanto, esta renda não é suficiente para cobrir todo o custo da Arena MRV. O Atlético-MG precisou buscar um valor de mais de R$ 400 milhões em crédito por meio da negociação de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI).

A ideia é de que os títulos da dívida sejam acrescentados na própria receita da Arena, com a garantia de pagamento por meio da renda de cadeiras e camarotes. O primeiro movimento foi realizado em dezembro de 2021, captando R$ 200 milhões, e o outro acontecerá agora, captando mais R$ 240 milhões.

O acordo é para que os investidores recebam retorno sobre o investimento, com juros, ao longo dos anos, a partir de outubro de 2023. Com os cálculos, é esperado que os lucros do Arena MRV passem a se voltar para o futebol do clube apenas a partir de 2030.

Vale lembrar que o Atlético-MG aprovou a venda da outra metade do Diamond Mall em operação que deverá render cerca de R$ 340 milhões aos cofres do clube. Entretanto, o dinheiro deverá ser utilizado apenas para o pagamento de dívidas onerosas, não se misturando com as contas do estádio.