Arsène Wenger, dirigente da Fifa, menospreza jogadores não europeus, denuncia Conmebol

A Conmebol considerou um menosprezo contra jogadores não europeus as declarações do francês Arsène Wenger, diretor de Desenvolvimento do Futebol Mundial da Fifa, que afirmou que o craque Kylian Mbappé não seria o atacante que é hoje se tivesse nascido em Camarões.

"A Conmebol repudia e condena as expressões lamentáveis do alto funcionário da Fifa, muito próximo da presidência da instituição, Arsene Wenger", diz o pronunciamento da entidade que comanda o futebol sul-americano.

Wenger também afirmou durante o congresso de treinadores da Federação Alemã em Freiburg que no futebol "há a Europa e o resto do mundo".

A entidade sul-americana presidida por Alejandro Domínguez sustentou que "está firmemente comprometida contra expressões e gestos racistas ou discriminatórios, sejam eles dos torcedores nos estádios, dos atletas e técnicos em campo, ou dos dirigentes através de declarações públicas".

A Conmebol ressaltou que Wenger, "além de revelar um desconhecimento inusitado sobre a valiosa contribuição dos jogadores africanos para o futebol mundial, especialmente o futebol europeu, mostra um viés degradante que invisibiliza os esforços de futebolistas e instituições esportivas que não estão na Europa. Os preconceitos condenáveis são disfarçados de reflexões 'fundadas' e 'inteligentes'", ironizou a mensagem.

O manifesto lembrou que "os sul-americanos conhecem, muito bem e em primeira mão, esse tipo de atitude que se baseia na crença de que o mundo começa e termina na Europa".

"O talento, o espírito de sacrifício e a vontade de superação dos jogadores africanos e sul-americanos devem ser valorizados e respeitados", destacou.

- Protesto contra a Fifa -

A Conmebol também protestou contra uma nova decisão unilateral da Fifa de permitir cinco substituições nas partidas oficiais a partir de agora, medida emergencial que foi imposta devido à pandemia de covid-19 em 2020.

A regra definitiva foi adotada unilateralmente e sem consulta à Fifa, reclamou a confederação.

"Nem a Conmebol nem suas associações-membro foram consultadas para opinar ou analisar essa questão", explicou a entidade.

"Se as mudanças que têm efeitos globais em nosso esporte forem decididas unilateralmente, podem gerar irritação e receios. É uma prática exclusiva que vem se repetindo nos últimos tempos e que causa grande preocupação", disse a Conmebol.

"Um futebol mais competitivo, de maior qualidade, inclusivo e com justiça esportiva será obra de todos, em um ambiente de cooperação, pluralidade e livre troca de ideias e experiências", destacou a Confederação Sul-Americana.

hro/cl/aam

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos