Apesar de superávit de R$ 68 milhões, Palmeiras conta com novos títulos para equilibrar o caixa

Palmeiras fecha mês de julho com superávit de R$ 68 milhões (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)


O Palmeiras divulgou o balancete referente ao mês de julho, com superávit contábil de R$ 68 milhões. Isso faz com que a conta anual do clube volte para o azul, com um excedente acumulado de R$ 37 milhões.


> ATUAÇÕES: Danilo tem desempenho sofrível, e Merentiel é herói
> Saiba quais são os 40 jogadores mais fortes do FIFA 23

Os altos valores das transferências de Gabriel Jesus do Manchester City para o Arsenal, ambos da Inglaterra, de Borja para o River Plate, da Argentina, e da venda de Gabriel Veron para o Porto, de Portugal, foram primordiais para que a conta fechasse no azul.

A bilheteria e o programa Avanti são outros destaques, por apresentarem números acima do previsto para o mês. Em julho, jogos no Allianz Parque renderam R$ 8,9 milhões, enquanto o valor orçado era de apenas R$ 3,4 milhões.

Já o sócio-torcedor, que dobrou de número de adeptos desde o início da gestão Leila Pereira, quase atingindo 90 mil, visava arrecadar apenas R$ 2,9 milhões, mas rendeu R$ 4,8 milhões aos cofres do clube.


> Clique e confira a tabela completa e simulador da Libertadores!

Na Libertadores, o time comandado por Abel Ferreira já somou 7,55 milhões de dólares (R$ 35,9 milhões na atual cotação) por ter chegado à semifinal do torneio. Este valor é aproximadamente R$ 9,5 milhões a mais que o planejado ao final da última temporada. Caso chegue até à final do torneio continental, o Verdão embolsará mais R$ 28, 8 milhões e, se conquistar o tricampeonato consecutivo, R$ 48 milhões.

O Alviverde é líder do Brasileirão com 51 pontos, faltando 13 rodadas para o fim. Ou seja, dificilmente deixará de cumprir a meta do campeonato, que é estar entre os quatro primeiros na tabela. No nacional, a premiação decorre da colocação no campeonato e varia de R$ 33 milhões, para o campeão, a R$ 28 milhões, para o quarto colocado.

O clube adiantou R$ 30 milhões em receitas da próxima temporada referentes às cotas de patrocínio da Crefisa, empresa da presidente Leila Pereira, e tem este ‘buraco a ser tapado’ no caixa do primeiro semestre do ano seguinte. Por isso, é provável que o Palmeiras venda jogadores no fim da atual temporada, para equilibrar o balanço se depender do adiantamento do patrocinador.

Mas o foco da administração palmeirense, no momento, é fazer isso conquistando títulos. E títulos importantes em todos os âmbitos. Se conquistar os dois que disputa, o clube receberá mais R$ 155,3 milhões.