Após três anos e forte crise, Cruzeiro entra em campo para voltar à Série A; relembre momentos marcantes

Acionista majoritário da SAF, Ronaldo mudou o panorama da Raposa - (Foto: Divulgação/Cruzeiro)


Finalmente chegou o dia: uma das datas mais aguardadas pelos torcedores do Cruzeiro que sofreram e choraram nos últimos três anos com a forte crise que o clube viveu. Na noite desta quarta-feira, às 21h (de Brasília), a Raposa entra em campo contra o Vasco, no Mineirão, e, neste duelo, pode garantir matematicamente o retorno à elite do futebol brasileiro.

Este retorno tem nome e sobrenome: Ronaldo Nazário de Lima, Ronaldo Fenômeno, astro do futebol, ex-jogador da Raposa, e, agora, dono do time celeste. No fim de 2021 algo que concretizou no início de 2022, o ex-atleta comprou a SAF Celeste, apesar dos vários problemas financeiros e de credibilidade. E, bem no início, ele fez uma grande promessa: voltar o time azul ao lugar de Glória. Está por pouco para conseguir matematicamente.

No entanto, toda a caminhada até este ponto não foi fácil para o mais apaixonado torcedor do Cruzeiro. Desde aquele 8 de dezembro, na derrota para o Palmeiras, por 2 a 0, resultado que decretou a queda para a Série B na primeira vez em sua história, muita coisa aconteceu.

O inferno astral do Cruzeiro iniciou em maio de 2019. Em uma tarde de domingo, a Rede Globo anunciou durante uma partida de futebol que teria uma matéria revelando irregularidades no time celeste. À noite, com um conteúdo de aproximadamente 10 minutos, a matéria despontou esquemas, dívidas, crimes, investigações na diretoria, que tinha como um dos cabeças o ex-presidente de futebol Itair Machado.

Após a matéria, a Raposa se afundou em uma grave crise. Descredibilizada no mercado, sem condições de bancar salários, o grupo passou a se deteriorar e não conseguiu suportar a pressão.

Apenas naquele ano, quatro treinadores passaram, todos sem sucesso. Iniciou com Mano Menezes que deixou o cargo para Rogério Ceni. Pouco depois Abel Braga chegou para tentar salvar a Raposa, demitido após algum tempo para a chegada de Adilson Batista que caiu com o clube para a segunda divisão.

Internamente, além dos problemas salariais, o meia Thiago Neves cobrou, situação que se tornou pública através de um áudio de WhatsApp, o famoso “Fala, Zezé”. E, no jogo em questão, que o camisa 10 cobrou “pelo menos 60% dos salários”, Neves falhou, chutou um pênalti para fora atrapalhando ainda mais os planos celestes e decretando o fim da sua história com a camisa azul. Aquele jogo contra o CSA é apontado por vários cruzeirenses como um dos cruciais que definiu a queda da Raposa.

Os dois anos seguintes foram de profundas crises. Politicamente a agremiação não se entendia, com problemas graves, e o campo refletia os bastidores: além dos salários constantemente atrasados, a crise era grave. O noticiário do Cruzeiro passou a ser visto mais nas páginas policiais do que na aba de esportes.

Um dos pontos graves foi que nos dois primeiros anos de Série B, a Raposa não chegou a figurar na primeira parte da tabela. Foram exatas 84 rodadas até conseguir chegar pela primeira vez ao G4 na segunda divisão. Sempre brigando na parte inferior e, em alguns momentos, pensando mais contra a queda para a Série C do que para a elite.

No fim das contas, foram oito treinadores até a Raposa “encontrar” Paulo Pezzolano que colocou o time no rumo novamente. A Raposa iniciou 2020 com Adilson Batista, trocou Enderson Moreira, em seguida para Ney Franco, na sequência ficou com Felipão que não suportou muito tempo e Célio Lúcio assumiu interinamente até o resto da temporada. Em 2021, foram: Felipe Conceição, Mozart Santos e Vanderlei Luxemburgo.

Quando a Lei das Sociedades Anônimas do Futebol (SAF) foi aprovada apareceu a salvação. O clube nos bastidores era tido como “insolvente” e impossível de administrar. Aparentemente isso não assustou Ronaldo. De maneira fenomenal, com planejamento e gestão, ele assumiu o clube, com todos os seus problemas e prometeu o retorno que agora acontece para alívio dos cruzeirenses.

Ronaldo escreve mais um belo capítulo de sua história no futebol. Aclamado pelos cruzeirenses que diziam que era a melhor solução, ele vem comprovando os elogios e surge no cenário como um dos grandes nomes: com menor investimento do que outras SAFs, consegue algo incrível nos números que comprovam quando a Raposa pode bater o recorde de confirmar acesso com sete rodadas de antecedência, algo nunca visto anteriormente.