Após caso Oscar, Rodrigo Capelo avalia 'previsões' no Mercado da Bola: 'Dia ruim para o jornalismo'

Oscar teve os planos frustrados e não foi liberado pelo Shanghai Port para defender outro clube (AFP)


Rodrigo Capelo, repórter do 'ge', se manifestou sobre a novela envolvendo Flamengo, Oscar e o Shanghai Port. Nas redes sociais, ele criticou os vazamentos "incertos" da negociação do meio-campista, que por fim, não jogará pelo Rubro-Negro nesta temporada. Seu posicionamento veio logo em seguida as trocas de indiretas entre os jornalistas Mauro Cezar Pereira e Fabrizio Romano.

- Dia ruim para o jornalismo que se apoia em informações parcas e incertas para prever futuro. Mas não muda nada. É imenso o público que consome especulação sobre "mercado da bola" como entretenimento, que acha que cravar com antecedência é o que faz do repórter um grande apurador - escreveu Capelo, no Twitter.

+ Fim do sonho: Flamengo não consegue liberação do Shanghai Port e desiste de Oscar

Após a notícia da negativa nas tratativas entre Oscar e Flamengo, Mauro Cezar foi às redes sociais e provocar o jornalista Fabrizio Romano por conta das alfinetadas do italiano na internet.

+ Mauro Cezar alfineta jornalista após negociação frustrada entre Flamengo e Oscar: 'Estou por aqui'

No fim de julho, Fabrizio Romano, da 'Sky Sports', publicou a informação da negociação entre Flamengo e Oscar. O jornalista italiano chegou a cravar a assinatura do contrato por parte do jogador, mas a negociação não foi confirmada. Mauro Cezar, que havia desmentido o acordo fechado, aproveitou e alfinetou.

- Estou por aqui. Sempre estive. Aproveitando, como se diz “peço desculpas aos torcedores do Flamengo, me equivoquei” com sotaque italiano? - escreveu Mauro Cezar, junto aos prints de tweets de Fabrizio Romano sobre a negociação.

RELEMBRE O CASO

A história entre os dois ganhou repercussão após Mauro responder a apuração de Fabrizio Romano, quando o italiano falou sobre o assunto pela primeira vez. O brasileiro criticou a forma como que notícias com 'sotaque italiano' eram consideradas como 'verdade'. Romano, então, passou a alfinetar Mauro Cezar em outras publicações.