Aos 67 anos, pioneiro do skate pede ajuda para conseguir emprego pelas redes sociais

Cesinha Chaves começou a andar de skate nos anos 1970 (Foto: Arquivo pessoal)


O ex-skatista Cesinha Chaves, de 67 anos, chamou a atenção ao fazer um post nas redes sociais onde compartilhava seus currículos com um apelo de ajuda para conseguir emprego.

+ STU Open Rio promete ser um dos maiores eventos do skate

- Pessoal, estou na busca de trabalho(s)! Quem puder me indicar para qualquer coisa, que não requeira fazer esforço físico, estou encarando. Deixo meus Currículos. Quem puder ajudar, fico grato! - postou ele, mostrando que tem qualificações na área de edição e produção de vídeo para TV, além de inglês fluente.

Em entrevista ao 'Uol Esportes', Cesinha falou da dificuldade de arrumar emprego após os 60 anos. Ele ainda isentou a Confederação Brasileira de Skate (CBSK) de culpa por ele estar sem emprego, mas afirmou que acha que poderia ser melhor aproveitado.

- Eu apoio a CBSK, e não cabe a mim dizer o que eles podem fazer, mas acho que a minha geração e outros sexagenários deveriam ser melhor aproveitados nos campeonatos. Foi quando eu sumi da TV (que fiquei sem empregos), depois disso parece que eu nunca tinha existido, troço doido. Desde então só tenho conseguido frilas temporário, sem trabalho fixo - afirmou.

+ Facincani é demitido da ESPN: relembre 10 polêmicas com o comentarista

Cesinha ainda detalhou como consegue sobreviver atualmente.

- Acabei de ser aprovado para receber uma aposentadoria de um salário mínimo (cerca de R$ 1.200), mas ainda não comecei a receber. Eu faço frilas de edição de vídeo e recuperação de imagens, e também hospedo cachorros aqui no sítio (por aplicativo) entre outras oportunidades que surgem - afirmou.

Cesinha começou a andar de skate na década de 1970. Na época, era surfista da praia do Arpoador, Zona Sul do Rio. Disputou e ganhou torneios na década de 1980, quando passou a somar a paixão pelo esporte com a produção audiovisual para TV.

Ele trabalhou em programas na MTV, TV Record e SporTV, além de revistas como Pop, Visual Esportivo, Yeah e Overall. Entrevistou astros do esporte como Tony Hawk e também bandas da época como Legião Urbana e Plebe Rude.