Antetokounmpo: "O jogo na Europa é mais difícil do que na NBA"

Giannis Antetokounmpo levou a Grécia às quartas de final da Eurobasket. Foto: Pedja Milosavljevic/DeFodi Images via Getty Images
Giannis Antetokounmpo levou a Grécia às quartas de final da Eurobasket. Foto: Pedja Milosavljevic/DeFodi Images via Getty Images

Giannis Antetokounmpo foi um dos grandes nomes da edição recente da Eurobasket. O grego acabou como o cestinha do torneio continental (29,3 pontos em média), o jogador mais eficiente (32,7) e o sexto nos rebotes (8,8).

Apesar do ótimo desempenho, ele não conseguiu que seu time passasse das quartas de final e, mesmo com sua grande superioridade física, nunca foi visto tão confortável quanto na NBA.

Leia também:

Na primeira coletiva de imprensa após voltar ao Bucks, Antetokounmpo falou sobre as diferenças entre o basquete da FIBA ​​e o da Liga Profissional dos EUA.

"O jogo na Europa é muito mais difícil do que na NBA. O talento na NBA é obviamente maior. Acho que é mais intenso lá. As pessoas defendem você em quadra cheia, as linhas fecham e é muito mais físico. Eu não sei se eles são mais físicos porque você tem menos talento. Para um garoto como eu que veio do nada, acho que a NBA me pesou um pouco. Quando você vai para o exterior, as coisas não são as mesmas. As coisas são fáceis aqui, não cobra seu preço, estamos além de abençoados", disse ele.

O craque da NBA orgulha-se de ter representado o seu país no Eurobasket: "Foi uma grande experiência, diverti-me. Foi a primeira vez que vi pessoas empenhadas. Apesar de estarmos a um jogo das medalhas, as pessoas tinham esperança e foi a coisa mais incrível. Eles nos seguiram na estrada em todos os lugares que fomos e nos aplaudiram. Representar a seleção nacional é uma grande coisa. Você representa todo o país. Acho que seis ou sete milhões de pessoas assistiram aos jogos".

Antetokounmpo também se referiu ao cansaço de vincular o torneio continental ao início da NBA e reconheceu estar "um pouco cansado física e mentalmente, mas estou animado com a temporada. Você acaba desgastado. É preciso fazer uma pausa não apenas fisicamente, mas também mentalmente, para fugir do jogo e passar algum tempo com sua família, fazer o que você ama. Você precisa ser ótimo depois. Parece ruim, mas você precisa", explicou.

Além disso, quando perguntado quem é o melhor jogador do mundo hoje, ele optou por Stephen Curry. Sua explicação é a seguinte: "O melhor jogador do mundo é o último a ficar. Ele é a pessoa que leva seu time para a final, para a linha de chegada, e os ajuda a vencer aquele jogo. É assim que eu vejo. E Acho que Stephen Curry é o melhor jogador do mundo”, finalizou.