Antes ponto forte do time, zaga do Vasco falha em sequência decisiva

Antes elogiados, Anderson Conceição e Quintero têm comprometido na Série B (Foto: Daniel Ramalho/Vasco)


No começo da Série B, com um longa sequência invicta, um dos pontos mais elogiados do time do Vasco era o sistema defensivo. Durante parte da competição, o Cruz-Maltino esteve entre as duas melhores defesas do Brasileiro. No entanto, este cenário mudou. E, com a queda de rendimento do time, até os antes exaltados zagueiros vascaínos passaram a ser fortemente criticados. Principalmente por falhas individuais e decisivas. E os números também comprovam isso.

Nos dez primeiros jogos da Série B, a zaga formada por Quintero e Anderson Conceição, então sob o comando de Zé Ricardo, sofreu apenas três gols. Ou seja, média de 0,3 por partida. Mesmo com a queda brusca de rendimento coletivo com Maurício Souza, o Cruz-Maltino terminou o primeiro turno ainda com bons números. Foram apenas 11 gols em 19 jogos.

Mas a situação mudou na virada do turno. Nas dez primeiras rodadas do returno, o Vasco já sofreu mais gols do que em todo turno. Neste período, o Gigante da Colina sofreu 13 gols em dez partidas, com uma média de 1,3 por dia.

Além dos números, o que tem deixado os torcedores do Vasco irritados tem sido as constantes falhas dos zagueiros. Nos últimos cinco jogos, ao menos cinco adversários aconteceram após erros individuais de jogadores do claro.

Contra o CSA, Danilo Boza furou uma tentativa de corte e ainda toca a bola para trás, quando o jogador do time adversário consegue arrancar e marcar. Já contra o Bahia, Quintero errou um corte e coloca a bola nas próprias redes. Na vitória sobre o Bugre, mesmo com o resultado positivo, o Cruz-Maltino quase se complicou após um gol contra de Anderson Conceição.

Nas duas últimas derrotas fora da casa, novas falhas de Quintero. Contra o Brusque, uma bola bateu no braço do colombiano dentro da área, e o árbitro assinalou ponte. Já no último domingo, na derrota para o Grêmio, o colombiano errou ao tentar cortar de cabeça, a bola desviou no seu braço e foi parar no fundo das redes.

O que pode ajudar a explicar esse defesa mais frágil, além da lesão do lateral-direito Gabriel Dias, são as mudanças do meio para frente. Com a entrada de Alex Teixeira e Marlon Gomes, além da manutenção de Nenê, o time passou a ficar mais exposto na parte defensiva e sem tanta cobertura pelos lados, que antes era feita por nomes como Gabriel Pec e Figueiredo.

Dessa forma, agora o Vasco tem 24 gols sofridos na Série B. Ainda é a quinta melhor defesa da Série B. No entanto, como o ataque também não funciona, as falhas defensivas pesam ainda mais para o momento do time, que caiu para a quarta colocação, com 45 pontos e, agora, tem apenas um ponto de vantagem sobre o Londrina, quinto colocado.