ANÁLISE: Corinthians não mostra evolução, mas conquista pontos importantes no Brasileirão

Renato Augusto em ação contra o Dragão (Foto: Rodrigo Coca / Agência Corinthians)


O Corinthians teve 10 dias sem jogos e seis sessões de treinos para encarar o Atlético-GO. Embora tenha vencido por 2 a 1, o Timão deixou a desejar coletivamente e não convenceu contra uma das piores equipes do Brasileirão.

+ Yuri Alberto se destaca e é o melhor do Corinthians em vitória; veja notas

Para o confronto contra o Dragão, Vítor Pereira optou por colocar força máxima, e só não repetiu a escalação da goleada sobre o Fluminense na Copa do Brasil pois Balbuena estava com a seleção paraguaia.

Desde o apito inicial, o Timão dava claros sinais de uma equipe dispersa. O reflexo da desatenção se mostrava em campo com o elevado número de erros de passes errados, especialmente na defesa, resultado em chances de gol para o Dragão.

Apesar da passividade defensiva, o Time do Povo, mais uma vez empurrado por sua torcida, abriu o placar em sua primeira chegada com perigo, em jogada que contou com oportunismo de Róger Guedes.

No restante do primeiro tempo, o Corinthians até conseguiu criar outras chances perigosas, mas assustou a facilidade na qual o Atlético-GO conseguia trocar passes e chegar na área de Cássio.

Se a agressividade e intensidade do meio-campo tomaram conta do time na classificação na Copa do Brasil, o que se viu contra o Dragão foi uma transição defensiva lenta e espaçada.

+ Veja tabela e simule as próximas rodadas do Brasileirão

O segundo tempo começou com susto para o Timão, que só não tomou a virada pois Cássio impediu gol de Baralhas.

Nos últimos 45 minutos, especialmente após as substituições de Vítor Pereira, o Corinthians cresceu e empilhou chances, mas não teve a calma e tranquilidade na frente do gol para liquidar a partida.

O Atlético-GO, que estava satisfeito com o empate e fazia cera para sair da Neo Química Arena com pelo menos um ponto, foi punido pelo erro de seu goleiro. Yuri Alberto, atento no rebote, fez um gol improvável, no apagar das luzes, para salvar uma atuação coletiva aquém do esperado.

Embora tenha se intitulado um 'treinador de treinos', Vítor Pereira, mesmo com o maior período de treinos desde que chegou ao clube do Parque São Jorge, não mostrou à torcida corintiana que sua equipe está evoluindo para os 'jogos da vida' contra o Flamengo, na final da Copa do Brasil.

De positivo fica apenas o resultado. A equipe interrompeu a sequência sem vitórias no Brasileirão e está de volta ao G4 do Brasileirão, onde espera terminar o campeonato para conseguir vaga direta à Libertadores.