ANÁLISE: ausência de Nene faz Vasco ter dificuldade em concretizar chances em gols

Vasco de Nene tenta reencontrar o caminho do sucesso na Série B do Brasileiro (Foto: Daniel Ramalho/CRVG)


O Vasco frustrou mais de 60 mil torcedores no Maracanã. A ausência de Nene fez o Cruz-Maltino ter dificuldade em ser objetivo e não saiu do 0 a 0. Com isso, um velho problema volta a ser evidenciado na equipe, a chamada 'Nenependencia'.

+ Veja a classificação da Série B do Campeonato Brasileiro

Durante grande parte do primeiro tempo, o Vasco foi uma equipe fluida e envolvente. Pressionou o Sport e criou poucas oportunidades claras de gol. Contudo, os jogadores pecaram na pontaria. Prova disso, é dentro de oito finalizações, apenas uma cabeçada de Danilo Boza levou perigo e acertou a trave.

Palacios teve a difícil missão de fazer o papel de Nene. E o chileno mostrou mais uma vez, que não está preparado para assumir a titularidade com a camisa cruz-maltina. É notório o talento do jogador. Porém, ainda falta ritmo e entrosamento.

+ Maurício Souza lamenta empate do Vasco e comenta vaias da torcida: 'A gente encara com naturalidade'

+ ATUAÇÕES: Sistema defensivo é o destaque no empate do Vasco com o Sport na Série B

A ausência do camisa 10 é um problema crônico no Gigante da Colina. Não é a toa, que o meia é o principal destaque do clube na temporada com nove gols e nove assistências em 25 jogos. Além disso, na Série B do Campeonato Brasileiro é o líder em assistências e participações em gols com cinco e nove, respectivamente. Sendo que o Vasco tem 16 gols na competição. Desta forma, é evidente que o time é extremamente dependente do meia para balançar as redes.

Por outro lado, vale destacar um ponto positivo no empate do última rodada: a atuação de Léo Matos. O último jogo do lateral-direito tinha sido contra o Flamengo pela semifinal do Campeonato Carioca. No último domingo fez sua primeira partida na Série B. Na árdua tarefa de substituir Gabriel Dias, que está lesionado, o atleta se saiu melhor do que o seu concorrente, Weverton. Foi bem tanto ofensivamente, quanto defensivamente. Inclusive, cabeceou uma bola que exigiu uma grande defesa do goleiro adversário.

Já na segunda etapa, a tônica da partida mudou. O Cruz-Maltino foi reativo e pouco produziu. O ímpeto dos 45 minutos iniciais sumiram. As chances claras de gol foram raras, com exceção do chutaço do Figueiredo de fora da área, que quase pegou o arqueiro do Sport adversário desprevenido.

A construção ofensiva e a pontaria são problemas latentes no Vasco, que precisam ser solucionados pelo técnico Maurício Souza. Afinal, não adianta ter uma das melhores defesas do campeonato, se lá na frente o Vasco não balança as redes e leva os três pontos para São Januário.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos