Update privacy choices
Esportes

França ganha dois 'xodós' após título da Copa do Mundo

Colaboradores Yahoo Esportes
Yahoo Esportes
Dois dos “queridinhos” da torcida francesa atualmente (Foto: Getty Images)

Por Tiago Leme (@tiago_leme)

Bicampeã mundial há dois meses na Rússia, a seleção francesa fez neste domingo a sua primeira partida dentro de casa após a conquista histórica, com direito a homenagens e festa no final. E o jogo deste domingo no Stade de France, com vitória sobre a Holanda por 2 a 1 pela Nations League, mostrou que a Copa do Mundo elevou bastante o prestígio de dois atletas. Pouco badalados, simples e desconhecidos de muitos até então, o lateral direito Benjamin Pavard e o volante N’Golo Kanté subiram de patamar e viraram verdadeiros xodós da torcida, ganhando inclusive músicas personalizadas e até superando estrelas como Mbappé, Griezmann e Giroud no reconhecimento recebido no estádio.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

“Benjamin Pavard, eu acho que você não o conhece. Ele vem do nada, um chute de bastardo, nós temos Benjamin Pavard”. (Em francês: “Benjamin Pavard, je ne crois pas que vous connaissez. Il sort de nulle part, une frappe de bâtard, on a Benjamin Pavard”).

A música virou febre entre os franceses e foi cantada diversas vezes neste domingo, na voz de quase 80 mil pessoas no Stade de France. Ela foi criada depois que o lateral de 22 anos marcou um golaço na Copa ao acertar um chute forte de fora da área na vitória sobre a Argentina por 4 a 3, pelas quartas de final, que posteriormente foi eleito o gol mais bonito da competição. Pavard, que começou a carreira no Lille e atualmente defende o Stuttgart, da Alemanha, foi convocado para a seleção principal pela primeira vez apenas em 2017.

“Desde o meu chute contra a Argentina, minha notoriedade explodiu, mas eu continuarei a ser o mesmo. Agradeço a todas as pessoas que cantaram a música, todos os companheiros de equipe que me acolheram, é um grande prazer”, disse o lateral, após a partida em Saint Denis, nos arredores de Paris.

Estádio em festa para receber os atuais campeões da Copa (Foto: Getty Images)

Pouco conhecido antes da Copa, Pavard demonstra uma postura humilde mesmo após o sucesso repentino. Nas zonas mistas após os jogos, costuma dar entrevistas pacientemente aos repórteres, assim como faz ao retribuir o carinho dos fãs com autógrafos e fotos. Depois do duelo contra a Holanda neste domingo, quando todos os 23 atletas campeões mundial foram chamados um a um para entrar no gramado, o lateral foi bastante festejado pelos companheiros e ouviu os torcedores cantarem sua música personalizada em alto e bom som.

Mas não foi apenas Pavard que foi ovacionado e virou xodó. Kanté dividiu com ele a primeira posição no ranking do carinho da torcida francesa. O volante franzino de 27 anos e apenas 1,68 metro de altura foi quem teve o nome gritado de maneira mais alta nas arquibancadas, resultado da qualidade de suas atuações incansáveis na marcação dos adversários no meio-campo. Fruto também da simplicidade que o atleta do Chelsea mostra no seu dia a dia, sem ostentar roupas de marca ou carrões como a maioria dos jogadores de futebol.

Leia mais:
– Marcelo é condenado por fraude fiscal na Espanha
– Histórico do Fla na Arena aumenta necessidade de vitória no Maracanã
– Tradutor e adaptação ao clima: como é o início de Sasaki no Palmeiras

De família humilde que veio do Mali, um pequeno país da África, Kanté nasceu em Paris. Em 1998, quando a França conquistou o primeiro título mundial e ele tinha apenas sete anos de idade, ajudava os pais recolhendo lixo nas ruas da capital francesa. Vinte anos depois, brilhou na Rússia, foi “adotado” como uma espécie de mascote pelos outros jogadores da seleção da França e também ganhou a sua música personalizada.

“N’Golo Kanté, ele é pequeno, ele é gentil, ele parou o Leo Messi, mas todos nós sabemos que ele é um trapaceiro”. (Em francês: “N’Golo Kanté, il est petit, il est gentil, il a stoppé Leo Messi, mais on sait tous que c’est un tricheur”).

Com sua timidez habitual, mas também como o sorriso no rosto característico, Kanté falou sobre a emoção que sentiu durante as homenagens que recebeu no domingo, quando foi centro das atenções ao ouvir a sua música ser puxada pelos companheiros de equipe e cantada em coro pelos fãs.

“Foi bom reencontrar os torcedores franceses aqui no Stade de France. Foi um momento inesquecível, mágico e que vamos lembrar por muito tempo. Fomos ovacionados pelo público francês, foi algo enorme”, afirmou o volante, que começou a carreira no modesto Boulogne, depois passou pelo Caen e Leicester City.

Com Pavard e Kanté de titulares absolutos, o técnico Didier Deschamps repetiu os dez jogadores de linha que atuaram na final do Mundial contra a Croácia, nos dois primeiros compromissos pós-Copa, diante de Alemanha (0 a 0, fora de casa) e Holanda (2 a 1, em casa). Apenas o goleiro Lloris, machucado, deu lugar a Areola. A seleção francesa volta a jogar duas vezes em outubro: um amistoso contra a Islândia no 11, em Guingamp, e mais um duelo com a Alemanha pela Nations League, no dia 16, desta vez em casa, no Stade de France.

 

5 Reações

Leia também