Adversário do Flamengo na semifinal, Vélez tem nomes conhecidos no elenco e vive má fase no Argentino


O último adversário do Flamengo antes de uma possível nova final de Libertadores é o Vélez Sarsfield, da Argentina. O tradicional clube de Buenos Aires eliminou River Plate e Talleres nas últimas fases e tem nomes conhecidos no elenco, mas vive momento conturbado no Campeonato Argentino.

Abaixo, o LANCE! traz um panorama do Vélez, com os principais destaques, números e pontos fortes e fracos da equipe argentina.

NOMES CONHECIDOS

O primeiro representante do Vélez conhecido pela torcida do Flamengo fica fora das quatro linhas: o técnico Cacique Medina. Após curta e irregular passagem pelo Internacional, ele assumiu o clube argentino em junho e esteve à frente da equipe nas classificações sobre River Plate e Talleres. Ele, inclusive, foi expulso no jogo de volta das quartas de final e deve cumprir suspensão no jogo de ida da semifinal contra o Fla.

Outro que deixou o futebol brasileiro rumo ao Vélez foi o zagueiro Diego Godín. Após rescindir com o Atlético-MG, ele assinou com o time de Buenos Aires na expectativa de ter mais tempo em campo - algo que ainda não se concretizou. O uruguaio disputou alguns jogos no Campeonato Argentino, mas ficou no banco de reservas nos últimos duelos da Libertadores.

O terceiro nome conhecido é Lucas Pratto. Ex-Atlético-MG, São Paulo e River Plate, o veterano é ídolo da torcida do Vélez e principal referência de ataque da equipe. Ele foi titular em todas as 10 partidas do time nesta edição da Libertadores e marcou dois gols.

Vélez
Vélez

Lucas Pratto é ídolo do Vélez (Foto: AFP)

VICE-ARTILHEIRO E JOVENS TALENTOS

O grande destaque do Vélez atende pelo nome de Lucas Janson. O meia de 1,70m e 27 anos é o vice-artilheiro da Libertadores, com sete gols, e foi decisivo nas classificações contra River Plate e Talleres. Na vitória de 3 a 2 do Flamengo na fase de grupos de 2021, ele foi o autor dos dois gols argentinos (relembre aqui).

Cacique Medina também tem jovens talentos à disposição. Aos 22 anos e com passagens por seleção de base, Luca Orellano é o camisa 10 e atua aberto pela direita. Maximo Perrone (19 anos) e Julián Fernández (18 anos) são outros jovens com grande potencial na equipe do Vélez. Este último começou no banco, mas foi o autor do gol da vitória de 1 a 0 sobre o Talleres, na última quarta-feira.

PONTOS FORTES E FRACOS

Apesar dos nomes conhecidos e dos jovens talentos, a principal característica do Vélez é a aplicação tática. Os laterais Jara e Ortega são fortes na marcação e a dupla de volantes tem importante função para manter o equilíbrio da equipe. O time se mostrou organizado nos duelos eliminatórios contra River Plate e Talleres e conseguiu usar o talento dos jogadores de ataque para chegar aos gols.

Luca Orellano
Luca Orellano

Luca Orellano é fruto das categorias de base (Foto: Divulgação/Vélez)

A aplicação tática não significa, no entanto, que seja uma equipe forte defensivamente. As partidas na Libertadores escondem um problema que fica claro no Campeonato Argentino, no qual o Vélez tem a sexta pior defesa entre 28 times. O time deve evoluir muito se quiser não ser vazado diante de um ataque com Arrascaeta, Pedro, Gabigol e cia.

CRISE NA LIGA ARGENTINA

As classificações sobre o River Plate e Talleres não refletem a temporada do Vélez. O time vive péssimo momento no Campeonato Argentino, ocupando a 26ª posição entre 28 times. São apenas nove pontos conquistados em 12 rodadas - com uma vitória, seis empates e cinco derrotas.

Na liga nacional, a equipe não vence há oito partidas e mostrou certa fragilidade defensiva sofrendo 10 gols nos últimos seis jogos. O lado ofensivo parece ser menos problemático: foram 10 gols marcados nos últimos seis jogos na temporada.