Acusados de racismo em 2019, dois torcedores do Atlético-MG são absolvidos pelo TJMG

Para absolvição, desembargadores do caso apontaram "justificável ira" dos réus - (Foto: Reprodução)


Nesta quarta-feira, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) absolveu dois torcedores do Atlético-MG que eram acusados de racismo. Os irmãos Natan Siqueira Silva e Adierre Siqueira da Silva protagonizaram o episódio em um clássico entre Cruzeiro x Galo, em 2019.

Para a absolvição, os desembargadores que assinaram a decisão apontaram "justificável ira" dos réus. O ato de racismo ocorreu ao final da partida, em direção a Fábio Coutinho da Silva, um dos seguranças do Mineirão.

Na ocasião, os envolvidos teriam chamado Fábio de "macaco" e dito "olha sua cor", em tom pejorativo. Segundo o segurança, ele queria impedir que os réus acessassem a tribuna de imprensa, e, tão logo, a torcida do Cruzeiro.

Em contrapartida, uma perícia, solicitada pela defesa dos acusados, apontou que o segurança foi chamado de "palhaço", não "macaco". Cristiane Aguiar, advogada dos irmãos, afirma ainda que Fábio "nem é negro, mas, no máximo, pardo."

Por fim, na decisão os desembargadores afirmam que os réus foram motivados a agir com ira, uma vez que, mesmo sabendo dos efeitos do gás de pimenta, lançados pela Polícia, os seguranças não os deixou acessar um lugar mais seguro no estádio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos